Aquele passe de letra
Bruno Pinto
2019/05/11 00:15
E4
"Aquele passe de letra" é uma coluna de opinião do autor da página "Espaço Futebol", um apaixonado por Futebol, que acredita que o jogo, como dizia Johan Cruyff, se joga com a cabeça e que os pés estão lá apenas para ajudar... Podem seguir o "Espaço Futebol", aqui: https://www.facebook.com/espaco.futebol.espaco.futebol/

Ouvimos vezes sem conta que no futebol o que é realmente importante é o resultado. O que interessa é ganhar! Se jogas um futebol de sonho e no fim não ganhas, então estás mal. Mas se não jogas um chavelho e mesmo assim consegues ganhar, tudo está bem quando acaba bem. Este tipo de raciocínio pode fazer sentido para o típico adepto de clube, cujo único anseio é ver o seu emblema triunfar seja lá como for. No entanto, para quem gosta de desfrutar do jogo e apreciar a qualidade do futebol bem jogado, muitas vezes o resultado é o menos importante.

Vem isto a propósito das épicas meias-finais da Liga dos Campeões a que assistimos esta semana. Vou-me focar no Ajax. Não vai levantar a 'Orelhuda' com toda a certeza. Mas foi a equipa mais apaixonante da competição e conquistou, pela forma poética como jogou, um lugar destacado na nossa memória e no nosso coração. E também, porque não dizê-lo, pelo modo cruel, quase desumano, como foi eliminado pelo Tottenham quando já só se aguardava pelo último apito do árbitro. O Ajax foi, aos meus olhos, a melhor equipa, o melhor colectivo, da edição da Champions League 2018-19. Porque jogou da forma que eu idealizo e que me faz vibrar. Há mil e uma formas de abordar um jogo de futebol, mas permitam-me dizer que num relvado não há nada mais belo que um futebol de posse, de construção apoiada desde trás, de ligações e triangulações curtas, de busca de soluções através da inteligência e criatividade, de domínio sobre o adversário, de respeito pela bola. Acredito que só um futebol deste tipo traz o verdadeiro prazer aos jogadores que o praticam, assim como aos apaixonados que o contemplam.

Observar este Ajax de Erik ten Hag, discípulo de Pep Guardiola, jogar, é uma benção dos céus! E já está na História, mesmo sem ganhar nada. De repente, revivemos bons velhos tempos em que aquela camisola vermelha e branca era sinal de poderio. Provavelmente nem a liga holandesa vai conquistar. E, no entanto, só o facto de reencarnar o 'Futebol Total' do velho Ajax de 70, de Rinus Michels e Johan Cruyff ou de me fazer recordar o grande Ajax de 90, de Louis Van Gaal, dos irmãos De Boer, de Overmars, Kluivert, Litmanen, Davids, Finidi ou Seedorf, já conquistou a minha admiração e fez valer a pena.

Liverpool ou Tottenham, um deles vai levantar o caneco a 1 de Junho no Wanda Matropolitano. Mas para mim, peço perdão, o grande "vencedor" da Champions 18/19 é o Ajax! Sem dispor de super-estrelas mundiais (De Ligt ou De Jong são soberbos mas ainda jovens em evolução) ou sem ter a capacidade financeira de outros, conseguiu formar um colectivo de excelência, onde a equipa é a verdadeira estrela e os processos de jogo estão assimilados por todos quase na perfeição. Crédito total para Erik ten Hag que, fruto de uma ideia de jogo sedutora e de grande competência para a operacionalizar, conseguiu montar um sonho de equipa e pô-la a praticar uma maravilha de futebol! E faltou tão pouco para a tão desejada final...

O hat-trick de Lucas Moura, concluído miraculosamente ao minuto 90+6, colocou um ponto final numa caminhada verdadeiramente admirável. Na fase de grupos, o Ajax deixou o Benfica pelo caminho e fez companhia ao Bayern München na passagem à fase a eliminar. Nos oitavos-de-final, perdeu 2-1 em casa diante do Real Madrid e foi à capital espanhola triunfar por 4-1, numa exibição assombrosa! Nos quartos-de-final, foi a Turim arrumar a Juventus de Cristiano Ronaldo, ganhando por 2-1 em mais uma demonstração de categoria impagável, depois de ter empatado em casa. E nas meias-finais, foi a Londres vencer o Tottenham por 1-0 e em casa chegou ao 2-0, após uma primeira parte de luxo. Com uma vantagem de 3-0 ao intervalo da segunda mão, quem é que esperava aquele apagão na segunda parte?

O futebol precisava deste título europeu do Ajax! Num tempo onde equipas como o Paris SG, o Manchester City ou o Real Madrid gastam este mundo e o outro para contratar por catálogo quem bem lhes apetece, um título para os homens de Amesterdão seria uma autêntica pedrada no charco. E pensando bem, foi-o de igual forma. Afinal, a capacidade financeira não é tudo. Afinal, é possível competir com muito menos recursos mas com muito mais visão estratégica e muito mais qualidade do projecto futebolístico a longo prazo. Afinal, a excelência de um colectivo e de uma ideia, pode superar um camião de dinheiro e um conjunto de grandes individualidades.

O central De Ligt (19 anos, capitão de equipa) está destinado a ser o melhor do mundo na posição. E o médio De Jong, já contratado pelo Barcelona, é um portento de qualidade técnica, tomada de decisão e compreensão do jogo. São os dois melhores jogadores de uma equipa com outros bons intérpretes, como Tadic, Ziyech, David Neres, Tagliafico, Blind, Schone ou Van de Beek, mas longe de serem vedetas de primeira linha como existem nos grandes colossos europeus. Até por isto este trajecto singular merece fazer escola por esse mundo fora. É possível competir com menos recursos mas com maior competência...

Obrigado Ajax! Já ganhaste! 



Comentários (4)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
Tributo a Ajax
2019-05-16 10h23m por bludouro
Na verdade a "dobradinha" conquistada pelo Ajax intramuros sabe a pouco, tendo em conta a qualidade desta equipa de sonho - quase forjada num oráculo - e que está prestes a se desmembrar consoante a profecia. DEVERIA e merecia até discutir a "tripla" e eterna gloria com o Liverpool se os deuses do futebol não fossem tão cruéis.

De acordo com a mitologia grega, Ajax, herói da guerra troiana suicida-se, ao quedar-se sobre a sua própria espada, conquistado apenas pelo sua tri...ler comentário completo »
Bom artigo
2019-05-11 20h53m por freskas
E bem merecida mencao por parte do ajax que fez uma grande campanha na champions fazendo lembrar o ajax de outros tempos
Também concordo
2019-05-11 05h37m por Triper
Eu queria imenso que a final fosse Liverpool - Ajax e que a taça fosse para um dos dois (na Champions eram os clubes que mais estava a gostar de ver) mas chegarem ali já foi excelente para uma equipa que todos apelidavam de fraca, sem classe, sem experiência, tudo e mais alguma coisa.

Por outro lado também temos de aplaudir o adversário que soube mostrar que com ZERO CONTRATAÇÕES esta época (incrível!) conseguiu chegar até à final.
Ajax
2019-05-11 03h28m por bludouro
Excelente artigo, senhor Bruno Pinto! Como um verdadeiro amante do futebol eu sonhava com o triunfo dos "adolescentes" de Amsterdão - ao inicio da campanha bem distantes da ribalta dos palcos milionários - e por isso subscrevo por inteiro o que o senhor aqui transmitiu.
OPINIÕES DO MESMO AUTOR
Com a saída de Óliver e Brahimi do FC Porto, o recém-chegado Nakajima passa a ser, a par de Corona mas talvez até um pouco acima, o jogador mais talentoso e criativo do ...
09-08-2019 13:36E4
Pablo 'El Mago' Aimar! Um dos melhores jogadores que já pisaram os relvados portugueses. O protótipo de jogador que fazia do cérebro avançado o seu principal predicado. Inteligente, criativo, ...
17-05-2019 18:15E1
Gosto de jogadores que entendam o jogo. Que tenham uma visão ampla, global e integrada de tudo o que um jogo de futebol envolve, nos seus distintos momentos. Que estejam familiarizados com ...
20-04-2019 09:59
Opinião
A preto e branco
Luís Cirilo Carvalho
Azul e Branco
Carlos Teixeira
Vénia ao 3º Anel
Filipe Inglês
Pelas minhas gavetas do futebol
Tiago S. Nogueira