betclicpt
      Entrevista à Tribuna Expresso

      Secretário: «Num jogo, o meu dedo virou todo para trás. O Paulinho chega e puxa-me o dedo para frente. 'Joga'»

      2020/05/13 00:05
      Texto por Tribuna Expresso
      E0

      Entrevista da autoria da jornalista Alexandra Simões de Abreu da Tribuna Expresso, originalmente publicada a 4 de abril de 2020 e que pode ser vista na publicação original aqui.

      O percurso de Carlos Secretário ficou marcado pela carreira no FCP antes e depois da passagem pelo Real Madrid, de onde saiu sem glória. A morte repentina do pai, um divórcio litigioso e as inúmeras críticas de que foi alvo levaram-no a um quadro de depressão do qual só se ergueu com ajuda médica e o imprescindível apoio de Pinto da Costa, José Mourinho e dos colegas que com ele conviveram nos últimos anos em que esteve no FCP. À beira de completar 50 anos [12 de maio], Secretário aproveita esta entrevista para agradecer-lhes e pedir desculpa por algum comportamento menos correto que teve durante aquele período negro da sua vida. Hoje, ao comando da equipa francesa Créteil-Lusitanos, que já fez subir de divisão, e com menos 16kg, diz-se tranquilo e muito orgulhoso da carreira e das conquistas que fez. Mas no fim, faz questão de deixar um alerta.

      Nasceu em São João da Madeira. Fale-nos um pouco das raízes, o que faziam os seus pais, se tem irmãos, onde cresceu.
      Quando eu era miúdo os meus pais tinham uma pequena empresa de calçado de criança onde eu muitas vezes também trabalhava. Tinha de ajudá-los, tanto eu como o meu irmão, que é mais velho quase três anos. Tive um outro irmão, mas morreu poucas horas depois de nascer.

      Ajudava os seus pais a fazer o quê em concreto?
      A dar cola nas solas dos sapatos, a meter os ilhóses, a tirar os pregos dos sapatos, pequeninas coisas que eu pudesse fazer, na altura era tudo manual, não havia máquinas. Nós vivíamos por cima e a fábrica era por baixo. Tínhamos um quintal nas traseiras com fruta, galinhas, pombas, porcos. Às vezes juntava alguns amigos e íamos aos pardais ou nadar no rio. Era o que nós fazíamos para nos distrairmos naquele tempo.

      A bola começou nesse quintal?
      Sim. Os funcionários do meu pai, que eram poucos, quando me perguntavam o que é que eu queria ser quando fosse grande eu respondia: jogador de futebol. Foi sempre o meu sonho. Quando me davam uma bola, eu dormia com a bola, levava-a comigo para todo o lado. As minhas chuteiras eram compradas quando ia com a minha mãe à feira de Espinho, ela comprava-as lá.

      Havia alguém na família ligado ao futebol?
      Ninguém. O meu irmão começou comigo nos treinos do clube da terra, na Sanjoanense, mas não era aquilo que ele gostava e como também não tinha muito jeito, largou.

      Da escola, gostava?
      Sempre tive boas notas até ao dia em que comecei a jogar futebol. A partir desse momento comecei a reprovar.

      Não aguentava a carga dos treinos e das aulas?
      Não tinha a ver com a carga, tinha a ver com o não estar concentrado no que estava a fazer, só vivia e pensava no futebol. Os meus pais também tinham o seu trabalho, não tinham muito tempo para me acompanhar e para dizer aquilo que eu devia fazer. Também só joguei um ano na Sanjoanense.

      Como é que vai lá parar?
      A história é a seguinte: com 11, 12 anos fui dois anos consecutivos às captações para ver se ficava mas não fiquei. Tanto que no segundo ano, como não fiquei, fui para o atletismo.

      Fazer o quê?
      Em termos físicos eu era forte, tinha muita capacidade física, era muito rápido. Nas provas da escola ficava sempre bem e houve um senhor, não me recordo do nome, que na altura me convidou para ir fazer atletismo. Eu, como estava desiludido por não ter ficado no futebol, aceitei. Cheguei a fazer provas de 100 metros, o máximo que fiz foi 1.500m, mas foi sol de pouca dura, não era aquilo que eu gostava, não tinha paciência para andar a correr sozinho [risos] e acabei por desistir muito rapidamente daquilo.

      Então como é que entra na Sanjoanense?
      Só à terceira vez é que acabei por ser aceite na Sanjoanense, tinha uns 14 anos. Enquanto joguei lá acabei por ser chamado à seleção de Aveiro para jogar naquele torneio inter-associações, em Lisboa. Houve responsáveis do Sporting que me viram e falaram com o Sousa, que na altura jogava no Sporting. Estou a falar do Sousa que também jogou no FCP. Ele veio a minha casa e falou com os meus pais para saber se eu estava disponível para ir ao Sporting fazer alguns jogos de experiência, porque as pessoas tinham gostado das minhas prestações. E assim aconteceu: fui, gostaram e acabei por ficar.

      Vai viver para o lar do Sporting, debaixo da pala do estádio de Alvalade?
      Exatamente. Por onde já tinham passados alguns jogadores da minha terra, nomeadamente o Litos, o Rui Correia que ainda lá estava quando cheguei. Estavam lá outros jogadores que vieram a ter algum sucesso, como é o caso do Cadete. E também lá estavam os gémeos Castro do atletismo.

      Como foi deixar a família para ir para a capital?
      Não foi fácil estar ali sozinho, embora o facto de ter perto o Rui Correia tenha sido bastante útil. Fui estudar para o Externato de Odivelas. Os meus pais, como tinham algumas possibilidades, vinham muitas vezes ver-me jogar e estar comigo. O meu falecido pai era vidrado em mim, de uma forma sã, nunca se meteu em nada, mas gostava de estar presente e sentia saudades do filho, como é perfeitamente normal.

      É verdade que foi o seu pai quem pagou a transferência ao Sanjoanense e que foram 700 contos (3500€)?
      O valor não sei dizer, mas sim é verdade porque o Sporting não queria pagar. Por lei, os clubes de formação podiam exigir um valor e, como o Sporting não queria pagar, acabou por ser o meu pai, pelo sonho do filho. Tenho um o outro amigo que passou pela mesma situação e infelizmente os pais não puderam fazer o mesmo que o meu. Se calhar perderam oportunidade de ter boas carreiras. Felizmente o meu pai acabou por "perder" um bocado a cabeça e consegui ir para o Sporting.

      Torcia por que clube quando era pequeno?
      Como tinha o Sousa e o Litos, que jogavam no Sporting, acompanhava mais um bocadinho o Sporting, mas a partir do momento em que fui para o Porto, foi FCP para sempre. E isto não é querer estar a "puxar o saco", como se costuma dizer. Foi uma diferença muito, muito grande a minha passagem do Sporting para o FCP.

      ©Getty /

      Em que aspecto?
      A tal mística de que se falava, do FCP ser um clube diferente. Realmente, era. Foi uma mudança muito grande em relação ao clube, à maneira de treinar... Os treinos no FCP eram com uma intensidade grande, ninguém gostava de perder, era incutido em nós uma vontade enorme de ganhar, de competição e de união.

      Isso não existia no Sporting?
      Existia, mas era tudo mais tranquilo.

      Como assim? Não era exigido com tanta garra, é isso?
      Sim, a tal garra que tinham as equipas no norte, como se dizia, hoje já não tanto, mas dizia-se que as equipas do norte eram mais aguerridas e no Porto havia isso. Eu estava habituado a treinos mais técnicos no Sporting, mais tranquilos e quando cheguei ao FCP tive de adaptar-me porque ali era duro. Era tudo a lutar, era tudo a trabalhar, com regras apertadas, todos sabíamos como o clube funcionava, acho que era isso que marcava a diferença.

      Só fica uma época no Sporting. O que mais o marcou foi ter estado sozinho, longe da família?
      Sim, passei por momentos difíceis, mas também passei por momentos bons, também comecei a ser chamado aos treinos da seleção. E tenho de falar do senhor Aurélio Pereira porque tinha uma excelente capacidade de comunicação e uma liderança adequada à formação. E muito conhecimento.

      Com que idade começa a ser chamado à seleção?
      Com 14, 15 anos. Curiosamente, segundo a história que o meu pai me contou, a chamada para a seleção, que na altura se fazia por fax, foi enviada para a Sanjoanense porque não sabiam que eu estava no Sporting. O meu pai contou-me também que uma vez pediu ao Sporting para me levar não sei onde e que lhe disseram: "leve-o, leve-o de vez". Devem-lhe ter dito aquilo em tom de brincadeira, digo eu, mas o meu pai levou a mal, levou a sério. E na altura havia um amigo do meu pai, o senhor Manuel Costa, que tinha alguns conhecimentos no FCP e ao que sei o FCP falou com ele, ele falou com o meu pai sobre a possibilidade de eu ir para o Porto e pronto. O meu pai achou por bem e eu também porque ia para um clube perto da terra. E sendo o FCP o clube que era, jamais podia declinar esse convite.

      Vai para o Porto com 16 anos. Em Lisboa já havia saídas à noite e namoros?
      Nada disso. Eu era e sempre fui muito tranquilo nesse aspecto, de saídas à noite. É óbvio que com essa idade tinha aqueles namoricos da escola, como é normal, mas nada mais do que isso. Até porque tínhamos regras a cumprir e não podíamos fazer o que queríamos.

      Quando ingressa no FCP fica a viver na Invicta?
      Não, fiquei em casa dos meus pais, em São João da Madeira. Ia e vinha todo os dias de autocarro. Acordava cedo, ia de autocarro para a escola, para o externato, e depois disso ia para os treinos. Às vezes se via que chegava atrasado à primeira aula, ia para o shopping jogar nas máquinas e quando dava por mim já tinha faltado às aulas.

      Estudou até que ano?
      Até ao 8.º ano. Porque quando comecei a jogar na Sanjoanense, no 7.º ano, reprovei dois anos seguidos no 7.º e depois fiz o 8.º em Lisboa. Em Lisboa na altura parti uma clavícula e estive três meses sem poder jogar e sem ir à escola também, mas mesmo assim consegui fazer o 8.º ano. Na altura em que parti a clavícula como estive algum tempo parado porque tinha de estar com o braço ao peito, deram-me autorização para ir para S. João da Madeira. E como o vício do futebol era tanto, quando os meus amigos iam jogar para a rua, eu, mesmo com o braço ligado e um parafuso na clavícula, ia jogar à bola com eles. Lembro-me que uma vez caí com o ombro no chão e foi uma aflição enorme. Chorava todos os dias até voltar para Lisboa, mas quando fiz os exames estava tudo bem. Foi uma sensação de alívio muito grande. Não tive a noção do perigo que estava a correr.

      Quais foram as maiores amizades que fez em Lisboa, recorda-se?
      Eu era muito pacato. Tinha amizades com colegas de equipa, como o Cadete, o Amaral, o Lay, que foi comigo para o FCP. Mais uma ou outra pessoa na escola, sobretudo a Flor e a Madalena. São duas pessoas com quem ainda mantenho contacto, através das redes sociais. De resto o tempo também não foi muito.

      Entretanto é campeão de júnior no FCP.
      Sim e nesse ano deixei de estudar, devido às faltas, infelizmente.

      Em casa chatearam-no por causa disso?
      Tive algumas chatices mas acabaram por aceitar, o que foi mau para mim. É um conselho que dou a todos os jovens: estudem. Hoje já têm mais facilidade para conseguirem conciliar e isso é muito importante porque nem todos os atletas vão conseguir atingir o auge e terão de estar preparados para o futuro. Mesmo aqueles que atingem o auge terão de estar preparados porque a vida pós-futebol continua.

      Qual foi o primeiro contrato que assinou e o valor do primeiro ordenado?
      Uma das coisas que me lembro foi assinar um papel, ou uma ficha, ou um contrato, chame-lhe o que quiser, na Sanjoanense. Lembro-me que abrimos uma garrafa de champanhe em casa. Mas ainda não ganhava dinheiro. Levava o equipamento para casa e trazia-o, éramos nós que fazíamos tudo, o clube não nos dava nada, só mesmo o campo para treinar. Depois no Sporting ganhava, se não estou em erro, dois contos e quinhentos (12,50€).

      O que fez com o primeiro ordenado?
      Não faço ideia, mas coisa boa de certeza que não foi [risos]. A sério, não faço ideia.

      Lembra-se do que sentiu quando foi chamado pela primeira vez a treinar com os seniores?
      Lembro-me de chegar lá e pensar: “meu Deus estes homens jogam tanto, o que é que eu estou aqui a fazer?” Eles jogavam mesmo muito e eu sentia-me pequenino no meio deles. Um dia, acabamos um treino com eles, estava eu e o Morgado que era o defesa esquerdo, e o mister disse: "olhem vocês vão ficar aqui a fazer cruzamentos para o Madjer que ele quer fazer um bocadinho de finalização". Quando fazia os cruzamentos, alguns saíam mal como é óbvio, e eu só pensava “ai meu Deus”. Mas a qualidade do Madjer era tanta que a bola, fosse como fosse cruzada, ele finalizava sempre. São pequenos momentos que nos marcam. A maneira como os seniores nos tratavam, não tem nada a ver com o que acontece agora. Obrigavam-nos a limpar as botas, a entrar no balneário só com autorização deles, "ó miúdo faz isto, ó miúdo faz aquilo"...

      Houve algum deles que lhe tivesse pedido para limpar as botas?
      Muitos. E nós fazíamos, tínhamos de fazer, que remédio [risos]. Embora eu tivesse ali alguma proteção do Sousa e do Vermelhinho, porque muitas das vezes como iam juntos de São João da Madeira, levavam-me com eles. Eu ia no carro todo contente com o senhor Sousa e o senhor Vermelhinho. E tenho de lhes estar grato porque foram muito importantes para mim. Ia a ouvir as histórias que eles contavam, os conselhos que davam, foram de factos os dois importantes para mim.

      Foi campeão de juniores no FCP e na época seguinte vai para o Gil Vicente. Porquê?
      Quando fui para o FCP estive dois anos nos juniores. No primeiro ano fomos campeões, tínhamos uma grande equipa, o João Paulo que depois teve uma lesão muito grande e teve de abandonar o futebol, o Vítor Baía, Fernando Couto, Domingos Paciência… No segundo ano apareceu o Jorge Costa, o Folha, o Jorge Couto, entre outros. Depois, no primeiro ano de sénior, fui emprestado ao Gil Vicente que na altura estava na II liga.

      Quando lhe disseram que ia para o Gil Vicente ficou desiludido?
      Sinceramente, não. Era uma sequência normal que acontecia aos jogadores que tinham contrato com o FCP, eram raros os que ficavam, como o Domingos ou o Vítor Baía que não chegaram a ser emprestados. Houve muitos outros jogadores como eu, o Jorge Couto, o Fernando Couto, Jorge Costa, Ricardo Carvalho, que fomos emprestados e desse conjunto de juniores do FCP, fomos sete para o Gil Vicente.

      Como correu essa época e contra quem é que foi a estreia como sénior?
      Sinceramente, não me lembro com quem é que foi o primeiro jogo [risos].

      Notou muita diferença do FCP para o Gil Vicente e da mudança de júnior para sénior?
      Alguma. Éramos muito bem preparados no FCP e senti-me muito bem quando cheguei ao futebol sénior. É sempre uma mudança grande, mas consegui adaptar-me bem, tanto eu como os meus colegas que foram comigo e jogávamos praticamente todos, éramos titulares. Na altura o Gil Vicente queria subir de divisão, mas não conseguimos, ficámos em segundo se não estou em erro.

      Foi viver sozinho para Barcelos?
      Vivia com um colega, o Nuno, que era lateral direito nos juniores do FC Porto.

      Como foi a adaptação a uma vida independente? Orientava-se sozinho na cozinha ou ia comer fora?
      Praticamente, ia sempre comer fora, havia bons restaurantes e alguns faziam bons preços para nós. E vivia numa residencial, não tínhamos onde cozinhar.

      Que recordações tem dessa época no Gil Vicente?
      Tive coisas pela positiva e pela negativa. Tive uma lesão na outra clavícula, tinha partido uma no Sporting, nos juvenis, e parti outra no Gil Vicente.

      Da mesma maneira?
      Sim. A primeira no Sporting foi num jogo dos juniores e foi num lance com um central, o Zé Luís que era jogador do FCP e que no ano a seguir iria ser meu colega. Mas ele só se encostou a mim, eu cai de forma natural, nem foi nada de especial, mas quando me levantei percebi que tinha a clavícula partida. No Gil Vicente foi também num lance dividido entre dois ou três jogadores e eu, para não cair em cima de um colega ou de um adversário, dei uma cambalhota e, quando vou para me levantar, tinha a clavícula partida. Foi uma grande decepção porque tinha feito uma excelente época e teria grande hipótese de ficar no ano seguinte no FCP, mas como aquilo aconteceu no final da época praticamente, tive as férias todas a recuperar e mesmo no início da época no FCP continuei a recuperação para poder voltar a jogar, mas foi-me impossível ficar no Porto.

      ©Getty / Henri Szwarc

      É por isso que vai para o Penafiel?
      Sim.

      Onde esteve duas épocas com treinadores como o José Augusto, o Vítor Manuel, o Joaquim Teixeira...
      ...E o Alhinho, que já faleceu. Isso foi uma coisa que me marcou também no Gil Vicente, porque eu não estava habituado, a mudança de treinador. Saiu um mister [Vítor Gomes] e depois entrou o mister Mário Reis e aquilo mexeu comigo porque eu ligo-me muito às pessoas. Quando isso aconteceu no Penafiel, já levei com mais naturalidade.

      Mas dos treinadores todos que teve no Penafiel houve algum que o tivesse marcado mais pela positiva ou pela negativa?
      Cada treinador tem os seus métodos e isso não podemos pôr em causa. É óbvio que algumas amizades vão ficando mais vincadas ou vão-se dando continuidade a elas. Eu vim a ter o Joaquim Teixeira como meu treinador no FC Porto, como adjunto, o Vítor Manuel apanhei-o mais tarde no SC Braga. Foram amizades que se foram criando. O Vítor Manuel, pela forma de se expressar, de estar connosco, pelo ser humano que ele era, era diferente, mesmo nos treinos, eram treinos com mais bola. Era uma pessoa muito próxima dos jogadores, muito brincalhona. Era capaz, se fizéssemos um golo, de dar uma cambalhota como deu.

      Entretanto vai para o Famalicão. Como e porquê? Nessa altura já tinha empresário?
      Não, não tinha empresário era tudo feito através do FCP. Estive dois anos no Penafiel, depois o FCP foi contactado pelo Famalicão e falaram comigo. As coisas aconteceram assim. Eu queria realçar aqui uma coisa: o Mário Reis que foi meu treinador no Gil Vicente, foi um treinador muito importante para mim, porque eu era um jogador que tinha alguns vícios, só gostava de atacar porque vinha habituado assim do FCP, em que passávamos uma grande parte do campeonato a ganhar todos os jogos e sempre no meio campo defensivo das equipas adversárias. Foi ele quem me ajudou também a crescer nesse primeiro ano de sénior. Ele também ganha amizade com o meu falecido pai e somos amigos até hoje. Foi padrinho do meu primeiro casamento, sou casado segunda vez, mas hoje a amizade mantém-se tanto com ele, como com os filhos, um deles viria a ser meu adjunto na minha estreia como treinador. Mas já lá vamos.

      No Famalicão o que tem a realçar? Apanhou o primeiro técnico estrangeiro.
      Sim, primeiro foi o Skoblar, jugoslavo. Sinceramente gostei da forma de ele trabalhar. Há muitas coisas que esqueci mas lembro-me perfeitamente do primeiro treino em Famalicão. Havia um exercício em que tínhamos de passar uma determinada linha que estava demarcada no campo para fazermos golo. Tínhamos de estar todos para lá dessa linha, mas eu esquecia-me e ficava atrás. Levei logo uma grande bronca no primeiro treino. O mister perguntou-me se eu estava a dormir ou algo do género [riso]. Chamou-me algumas vezes ao seu balneário para falar comigo; algumas coisas tinham a ver comigo, mas às vezes era para me pedir opiniões em relação ao futebol português. Eu era relativamente jovem, tinha 21 anos, mas gostei muito de trabalhar com ele.

      Depois vem o professor Neca.
      O grande professor Neca, que é uma figura que toda a gente conhece no futebol. Veio numa altura difícil, os resultados não estavam a aparecer e ele fez de facto um bom trabalho. Tinha bons métodos, era um treinador muito tranquilo. Gostava muito de acarinhar os jogadores, sabia dar incentivo, punha-nos nos píncaros, sentíamo-nos sempre confiantes com ele, tanto é que os resultados apareceram. Mas recordo-me que foi com o Skoblar que joguei pela primeira vez a defesa esquerdo e a extremo esquerdo. No FCP eu era lateral direito e extremo direito. Como Skoblar comecei a conhecer outras posições no campo que nunca tinha feito.

      E gostou dessas mudanças?
      Acho que foram importantes para mim. É óbvio que naquela altura, com aquela idade, uma ou outra vez ao jogar a defesa lateral esquerdo perguntei-me: “o que é que eu ando aqui a fazer a lateral esquerdo? Este gajo está para aqui a inventar”. Mas o certo é que mais tarde veio a ser muito importante para mim.

      Entretanto vai emprestado para o SC Braga onde reencontra o Vitor Manuel.
      Exato, julgo que ele quis-me no SC Braga por causa da excelente época que tinha feito com ele no Penafiel.

      Foi viver para Braga?
      Sim. Em todos os clubes onde estive emprestado estive a viver nas respectivas terras. Em Braga estava no edifício Torre Eiffel, onde vivia eu e o Folha, que também estava emprestado pelo FCP. Estávamos os dois, cada um em seu apartamento, no mesmo andar.

      Como lhe correu essa época em Braga?
      Braga ficou-me marcado muito também por ter sido o último clube onde estive emprestado. Ou seja, depois do Braga tudo aconteceu. Apanhei também dois treinadores, um que já referi, o Vítor Manuel e depois o mister António Oliveira, que mais tarde foi meu treinador no FCP e na seleção. Aliás, foi através dele que fui chamado pela primeira vez para a seleção.

      Vítor Manuel e António Oliveira tinham estilos muito diferentes?
      Sim, são diferentes. Como hei-de dizer, isto às vezes é difícil de explicar, o Vítor Manuel brinca muito com os jogadores, nós também podemos brincar com ele, tem bons treinos, sabe lidar muito bem com os jogadores, pessoalmente gostei muito de ter sido treinado por ele. O mister Oliveira era mais afastado, mas ao mesmo tempo fazia tudo por nós e sabíamos que podíamos contar com ele para o que fosse preciso e era um treinador que se preocupava muito com o seu discurso. Ele através do discurso conseguia mobilizar-nos para aquilo que pretendia. Ao mesmo tempo, não sendo tão próximo, era uma pessoa que sabíamos que podíamos contar com ele para tudo.

      Então e como é que regressa ao FCP, conte-nos lá a história?
      O meu contrato acabava em julho e eu ainda tinha de apresentar-me no FCP. Se não estou em erro, quem tomava conta dos nossos empréstimos era o Jorge Gomes e eu até lhe tinha dito: "cinco anos emprestado, está a ser difícil para mim, ainda não consegui o objetivo. O melhor se calhar é, depois de acabar o meu contrato, não continuar ligado ao Futebol Clube do Porto". Mas ele disse que queriam renovar mais um ano e eu acabei por renovar. Fiz a pré-época com o FCP, como já tinha acontecido uma outra vez, mas depois acabava por ser emprestado. Nesse ano, começámos os treinos com o mister Ivic, o Inácio era o adjunto e saiu uma convocatória de vinte e poucos jogadores para um torneio na Croácia, em que basicamente era aquele grupo que iria ficar no plantel. Isso desanimou-me.

      ©Getty / FRANCK FIFE

      Não estava na convocatória?
      Não. Mas antes de irmos para esse torneio fizemos um jogo particular com o Tirsense, em Santo Tirso, em que jogaram aqueles que contavam menos. E recordo-me que o mister Ivic começar a dizer a equipa, e quando vai dizer a posição de central, diz o meu nome. Deixei-o acabar de falar e depois fui perguntar ao mister Inácio. Ele confirmou: "Sim, vais jogar a central". Eu cá para mim: "Estes gajos estão a brincar comigo, então eu sou extremo direito, ala direito e vou jogar a central? Mas o que é isto? Estão malucos”. Como eu na altura era muito teimoso e fui sempre profissional, com azia ou sem azia, fui para o jogo e dei o meu melhor. Fiz um excelente jogo numa posição em que nunca sequer tinha jogado. Na altura o ponta de lança era o Marcelo, que tinha sido o melhor marcador no ano anterior. Acabei por marcá-lo. Os centrais eram eu e o Paulinho Santos. Recordo que durante o jogo o meu dedo grande da mão veio para trás e o Paulinho chegou ao pé de mim, puxou o dedo e disse : "Isso não é nada, continua". E eu lá continuei [risos]. Empatámos a zero. O que é certo é que o Inácio veio ter comigo e disse-me: "O mister vai levar-te para a Croácia. O Paulinho (um avançado brasileiro) vai sair da convocatória e vais entrar tu". E eu fiquei no FCP por causa desse jogo a central.

      Disse que já tinha feito pré-temporadas no FCP. Com quem?
      Com o mister Artur Jorge e o Octávio como adjunto. Mais tarde viria a apanhar o Octávio como treinador também.

      E o Artur Jorge que tal era?
      Era um treinador duro e exigente. Também tinha ali uma seita de bandidos [risos]. Tinha de haver regras e ele era muito rigoroso nisso, tanto nos treinos, como nos jogos. Era aquilo que eu tinha falado, aquela mística, era trabalho, trabalho e não havia facilidades para ninguém, era assim que aquela casa funcionava. E todos os jogadores que vinham de fora, sabiam o que iriam encontrar e portanto ou se adaptavam ou eram excluídos.

      Voltando à sua primeira época como sénior no FCP. O Ivic não fica muito tempo à frente da equipa.
      Não, não ficou muito tempo. Os resultados não foram os melhores. Com o mister Ivic também fiz alguns jogos a lateral esquerdo e lembro-me de pensar “será que ele falou com o Skoblar?” [risos]. Até a médio esquerdo joguei. Era uma pessoa extremamente simpática, mas tinha um tipo de jogo muito directo, a equipa também não se adaptou e os resultados acabaram por não aparecer. Depois veio um treinador totalmente diferente, o mister Bobby Robson. Treinos sempre com bola, treinos muito alegres. Ele, dentro do espectáculo que é um treino, dava o seu próprio espectáculo também. Adorava gritar, adorava rir-se, adorava dar as duras em inglês com português no meio. Naquele tempo, no campo de treino das Antas tínhamos uma pequena bancada onde estavam sempre sócios a ver os treinos. Ele gostava muito de fazer exercícios de finalização e era de facto uma alegria. Quando os jogadores faziam um grande golo nos exercícios de finalização, ele dizia "vai te embora, vai para o balneário já fizeste o teu hoje", era extremamente agradável ir para os treinos com ele.

      Na primeira época de Robson conquistam a Taça e a Supertaça, mas o campeonato foi só na época seguinte. Qual foi a sensação de ser campeão?
      Aquilo para mim foi tudo uma novidade. Ou seja, o meu sonho de miúdo era ser profissional de futebol. Estivera cinco anos emprestado, mas a tentar o meu objectivo que era ficar no Porto. Ficar no Porto, ser campeão e assistir àquela cidade a festejar o título… Não posso esquecer a tal mística e do quanto eram importantes os jogadores que lá estavam. O João Pinto, o André, eram figuras importantes no Porto. Eles transmitiam os valores do Futebol Clube do Porto. Lembro-me de um episódio no início dessa época. No estádio das Antas, mal saíamos do túnel, havia uns pedaços de relva fora do rectângulo, onde nós muitas vezes fazíamos meinhos e estávamos a fazer um meinho e num lance era eu que tinha de ir para o meio e eu disse: "não, não vou". Eles ficaram todos a olhar para mim: "não vais?!". "Não vou". Foi o André para o meio e eles como já estavam preparados para aquilo, meteram uma bola a dividir entre mim e o André, e o André fez-me uma entrada que me atirou ao ar. Quando estou no chão, vira-se para mim e diz: “Para a próxima miúdo vais para o meio, ouviste?" [risos]. Aquilo serviu-me de lição. São essas mensagens e esses valores de humildade e de trabalho que são importantes e que muitos jogadores, como o João Pinto, com quem fiz dupla alguns anos me passou. Foi uma pessoa que me ajudou muito também.

      Quem eram os seus rivais?
      Na minha primeira época era o Jaime Magalhães, uma grande figura do FC Porto, que estava nos últimos anos da sua carreira, e o Jorge Couto.

      E o Paulinho Santos?
      O Paulinho Santos já lá estava mas era médio defensivo. Depois acabou por jogar também a lateral esquerdo, lateral direito, era o tipo de jogador que jogava noutras posições, tinha também aquela raça e aquela vontade de ganhar, embora uma ou outra vez, com algum exagero, como também eu cometi e todos cometemos naquela altura, até porque as regras não eram tão apertadas como são hoje. Havia uma competição muito grande, uma competição sã, mas muito grande nos treinos entre nós. Mas aquilo era mesmo uma família, era mesmo uma equipa e estávamos todos ali pelo mesmo objetivo.

      Foi vítima de alguma praxe?
      Sim, havia uma praxe que faziam naquela altura e que se manteve pelo menos enquanto lá estive. Tínhamos um hall de entrada grande que tinha uma escadaria para o posto médico. No início dessa escadaria havia um cadeirão grande e muitas vezes, para irmos para o treino, passávamos por lá e sentávamo-nos todos ali, porque ficava perto da porta que dava para o túnel. Deixavam a cadeira vazia de propósito, ou seja o jogador novo não sabia, via aquilo disponível, sentava-se e depois lá de cima caí um balde de água gelada, cheia de porcarias lá dentro. E apanhei com ele [risos].

      E passou fazer aos outros, certo?
      Claro, depois passei a fazer aos outros [risos]. Na minha altura quem se encarregava da brincadeira era o João Pinto e o Paulinho Santos.

      Já tinha conhecido a sua primeira mulher ou ainda continuava a viver sozinho?
      Nessa altura já conhecia a minha ex-mulher, mãe da minha filha Lara, que tem 22 anos. Casei em 1994 e a Lara nasceu em 1998, já eu tinha vindo do Real Madrid.

      Foi sendo chamado às seleções desde os 15 anos. Recorda-se da sua estreia na seleção A?
      Foi num jogo no estádio da Luz, com o Lichtenstein. Entrei mais ou menos a meio da segunda parte.

      Estava nervoso?
      Sinceramente não. Claro que tive alguma ansiedade, que é normal, mas nessa altura era um jovem com muita confiança em mim mesmo e não me deixei abalar, não me deixei ficar nervoso.

      O António Oliveira na seleção era muito diferente do Oliveira que tinha apanhado como treinador no Braga?
      Não, era o mesmo género, embora em circunstâncias diferentes porque treinar uma seleção não é igual a treinar um clube, mas em termos de discurso e de motivação era a mesma coisa, excelente. Era amigo dos jogadores, éramos os maiores como ele dizia, ninguém era melhor do que nós e essa confiança era importante.

      A época de 94/95 fica marcada por ter sido campeão pela primeira vez e pela estreia na selecção principal.
      Sim, foi uma época extraordinária para mim. No ano anterior, no início andei a alternar a titularidade com o banco porque tinha o Jaime Magalhães e o Jorge Couto nessas posições. Mas fui conquistando o meu espaço até ganhar a titularidade. No segundo ano, as coisas foram "top" em termos de objetivos da equipa e do clube, pelos títulos alcançados e pelo futebol que praticámos, porque éramos de facto a melhor equipa, não só em termos individuais, mas também coletivos, éramos mesmo muito fortes.

      Sentiu que tinha atingido todos os seus objetivos?
      Os meus objetivos de miúdo era ser profissional de futebol, não sei se algum dia me teria passado pela cabeça chegar onde cheguei. Conforme o tempo foi passando, fui acreditando, depois desacreditando até que as coisas mudaram rapidamente e na altura em que essas coisas acontecem, quando paramos para pensar estamos de facto a viver um sonho, um sonho que milhões de profissionais de futebol desejam. Era tudo com que sonhava e mais alguma coisa. Nessa década, o Porto estava numa fase boa, tinha grandes jogadores, era um clube que nos dava todas as condições para isso, com excelentes treinadores, tínhamos tudo para ter sucesso. Com todo o respeito que tenho e que tínhamos pelas outras equipas, éramos de facto os melhores, tanto éramos que acabávamos com grandes vantagens em termos pontuais.

      E é à conta dessas excelentes épocas que vai para o Real Madrid?
      Sim, além das excelentes épocas no Porto, também a minha ida à seleção e ao Europeu de 96, com o mister Oliveira. Eu nunca tinha tido empresário, depois acabei por assinar um contrato com um empresário que já faleceu, o Manuel Barbosa, e fui para o Real Madrid através dele. Foi ele que tratou de tudo, eu tinha uma cláusula no meu contrato com o Futebol Clube do Porto, na eventualidade de aparecer um clube que pagasse essa cláusula, eu poderia sair.

      ©US Créteil Lusitanos

      Era um sonho que tinha, sair de Portugal, jogar fora?
      Para ser sincero, não era isso que procurava, não era o meu principal objetivo. Depois de ter alcançado o meu sonho que era estar no Porto, sair não era o meu principal objetivo, mas acho que todos, e vamos deixar de ser hipócritas, procuramos o melhor para nós, seja através de melhores clubes ou de melhores contratos, porque a vida é mesmo assim. E depois como é que eu ia recusar um convite para jogar no Real Madrid? Acho que nenhum jogador o faria. Trocar o Porto por um clube qualquer, com uma dimensão pequena, mesmo que fosse para ganhar mais alguns tostões, não sei se o faria. Ir para o Real Madrid, com o contrato que era, um dos melhores clubes do mundo, não era fácil recusar. Mesmo depois disso, na altura podia ter ido para o Barcelona, quando o mister Bobby Robson também foi para lá. Eu estava a assinar com o Real em Lisboa, quando recebo uma chamada do Vítor Baía a dizer: "Então, estamos à tua espera". E eu: "Eh pá ninguém falou nada comigo". Já tinha assinado pelo Real e fiquei no Real .

      Hoje tem pena?
      Se calhar. Tinha ido para o Barcelona com um treinador que me conhecia e daria mais apoio em algumas dificuldades que mais tarde vim a ter; ter colegas meus nessa equipa, certamente que em termos e adaptação iria sentir-me melhor, mas a vida é mesmo assim, feita de decisões. Podia ter sido melhor, podia ter sido bem pior, não sei. Não vale a pena estar a pensar nisso agora.

      Quando disse em casa que ia para o Real Madrid, qual foi a reacção?
      Ficou toda a gente primeiro contente, depois com alguma apreensão, como eu fiquei.

      Foi para Espanha sozinho ou com a família ?
      A minha ex-mulher foi comigo, mas houve alturas em que passava muito tempo em Portugal. De início, mais em Espanha, mas depois foi-se afastando e fiquei muito tempo sozinho, numa casa do Futre. Ele ligou-me, disse que tinha a casa dele disponível para alugar, o clube acabou por alugar a casa para mim. Foi importante para mim a ajuda dele porque era um condomínio fechado com piscina, com todas as condições para eu me sentir bem e com pessoas do condomínio que já conheciam o Futre, como o massagista que estava com ele no Atlético de Madrid, e que também foram uma ajuda enorme para mim.

      A que lhe custou mais habituar-se?
      Ao facto de estar fora do meu país, fora do meu meio, longe dos amigos, a língua apesar de não ser muito difícil, no início quanto eles falavam rápido era complicado perceber. Mas depois com o desenrolar do tempo as coisas foram melhorando.

      Como foi o primeiro embate quando chegou ao clube?
      O Real Madrid é uma instituição, um clube com uma dimensão mundial, com condições de trabalho fantásticas, não nos faltava nada. Embora eu viesse de um grande clube como o Futebol Clube do Porto e já estava habituado a boas condições, lá ainda era maior, tinha ainda melhores condições. Uma outra dimensão, cheguei e puseram-me um carro à disposição, um BMW 323 novo, com zero quilómetros. Bastou-me assinar um papel, tirar uma fotografia e levei o carro para casa. Depois em termos de mediatismo, o Real Madrid era muito mais procurado. E encontrar jogadores com grandes nomes, e que eram de facto grandes jogadores a nível mundial, como o Hierro, Roberto Carlos, Seedorf, o Suker, Raúl, Mijatovic, etc... Mais tarde até veio o Panucci para a minha posição porque eu não tive muito sucesso.

      Por que é não teve sucesso? Porque não se conseguiu adaptar ao futebol praticado, porque não gostava do treinador, que explicações é que tem?
      Nestas coisas há vários factores que podem levar à não adaptação. O facto de estares sozinho - no início não estava, mas depois comecei a estar sozinho. O facto dos primeiros dois ou três jogos particulares no início de época não me terem corrido bem e ter perdido um pouco a confiança. O facto de ter tido uma lesão, do nervo ciático, que me fez parar quase um mês.

      Essa lesão surge na sequência de alguma pancada?
      Não, não. Tinha a ver com as costas, com o nervo ciático. Apareceu sem mais nem menos. Tive um treinador que apesar de meter-me a titular e continuar a apostar em mim, nunca teve um conversa comigo, nunca me chamou à parte e me perguntou se estava bem, se estava mal, o que é que eu precisava, nunca me disse o que eu tinha de melhorar... nada. Respeito o Fabio Capello, um grande treinador, fez um excelente trabalho como é óbvio, mas era uma pessoa de mau trato. Deixou-me muito a desejar, nunca fez esse trabalho comigo e acho que esse trabalho é importante para todos os jogadores. Porque se formos ver, há muitos exemplos de jogadores que passaram pelo Real Madrid, não tiveram sucesso e custaram muito, mas muito mais do que eu. Ainda hoje isso acontece. Não fui, nem serei caso único. Na altura recebi muitas críticas, mesmo da nossa comunicação social, que eu não tinha valor para jogar no Real Madrid e outras coisas que me custaram ouvir e que não fazem sentido. Se eu era titular do FC Porto onde estava habituado a competições europeias e era titular da seleção, porque é que não haveria de ter valor para jogar no Real Madrid?

      Essa falta de apoio ajudou-o a afundar-se mais. É isso?
      Sim até porque eu era uma pessoa que me resguardava muito, mesmo na minha vida pessoal, em termos de amizades. Era trabalho casa, casa trabalho, mesmo com a comunicação social eu nunca soube aproveitar a minha imagem, digamos, refugiava-me muito, tanto se as coisas acontecessem por bem ou mal. Não utilizava a comunicação social, refugiava-me e isso não foi benéfico para mim.

      Como é que reage a estas últimas declarações do Fabio Capello sobre si?
      Respeito a opinião dele, mas não concordo de maneira nenhuma. É óbvio que as coisas não me saíram bem, mas quando as coisas não te saem bem e tu não tens um treinador que te dá uma palavra, um apoio moral e nem te diz nada no treino, acho que isso não é o comportamento mais correto de um treinador.

      Não estava à espera que passados estes anos ele viesse dizer o que disse?
      Acho que é uma conversa estúpida, desnecessária, não sei se é pela idade ... não sei. Se calhar está a ficar meio xéxé da cabeça ou então como deixou o futebol, agora quer aparecer. São declarações completamente estúpidas, não quero com isto faltar ao respeito ao Capello mas tenho de me defender.

      Aquilo que ele disse, que o Secretário se borrava, é mentira?
      Tanto é que eu me borrava que se tivesse medo de estar no Real Madrid, no final da época tinha-me ido embora. E não o fiz. Fiquei. Ao contrário do Capello que se foi embora, não ficou no clube. Se calhar quem teve medo foi ele. Porque o clube queria ser campeão europeu e ele achou que não tinha capacidade para isso. Tanto é que o Real Madrid mudou de treinador, não fomos campeões nacionais, mas fomos campeões europeus. Eu saí a meio da época porque realmente as minhas prestações não eram boas, tenho de assumir isso, não eram boas, mas tive um treinador que falou comigo, que foi direto, que me disse as coisas, que me apoiou e não tenho nada a dizer dele.

      Um comportamento completamente diferente.
      Claro, um comportamento completamente diferente. Agora chegar ao ponto de dizer 'borrou-se', não faço ideia onde é que ele foi buscar isso. Se calhar é uma diarreia cerebral que ele tem e lembrou de dizer “borrou-se”.

      Quando inicia a época com o Jupp Heynckes, sente-se ainda mais fragilizado por todas as notícias que vieram cá para fora, nomeadamente da seleção, sobre o famoso caso "Paula"?
      Tudo me afetava como é lógico. Capello foi buscar o Panucci, e bem na minha opinião, porque de facto eu não estava a corresponder àquilo que as pessoas esperavam de mim e àquilo que eu era capaz na altura... Alguns responsáveis chegaram a falar comigo, mas o treinador não, até porque o próprio treinador não tinha uma grande relação com a direção, por ser uma pessoa de trato difícil. No segundo ano parti em desvantagem, mas tentei ir atrás do prejuízo, saber se era capaz e dar a volta à situação. Quando vi que não o conseguia fazer, aí sim, pedi para sair e voltei para o Futebol Clube do Porto. É óbvio que mesmo as pessoas no estádio não gostavam das minhas prestações e quando tinham de assobiar, assobiavam, mas fora do estádio o tratamento era completamente diferente, era muito bom, as pessoas respeitavam-me, fosse quem fosse. No estádio têm direito de fazer aquilo que pensam e bem.

      Em relação ao caso Paula...
      ... Sobre esse assunto não vou falar. Recordo que coloquei uma ação em tribunal contra a SIC e fui indemnizado. Aproveito para agradecer aquelas pessoas que se disponibilizaram para ser minhas testemunhas no processo, a elas o meu muito obrigado.

      Estava a contar que como não se sentia bem no Real Madrid pede para sair. O FCP abriu-lhe as portas de imediato?
      Nós fomos fazer um jogo da Liga dos Campeões ao Futebol Clube do Porto e lembro-me de ter encontrado nos corredores do estádio o senhor Jorge Nuno Pinto da Costa. Trocamos algumas palavras, em que ele me coloca essa questão, de eu querer um dia voltar. Acabou por se proporcionar porque de facto as coisas não tinham corrido bem e eu não podia estar a pensar só no dinheiro e ficar em Madrid com quatro anos de contrato a ganhar sem jogar. Isso iria ser prejudicial para o meu futuro.

      Veio para o FC Porto ganhar bem menos, calculo.
      Sim, esse não foi o meu problema, o dinheiro. É óbvio que o dinheiro é importante, faz muita falta e faz movimentar muita coisa e nós dizemos que queremos saúde, mas o dinheiro também ajuda a ter saúde, porque com dinheiro consegues ter acesso coisas que outros não têm. Naquele caso eu sabia que estava em causa o meu futuro em termos profissionais. E voltar para o meu clube de coração, onde fui bem tratado, de onde se calhar não saí... vou dizer isto sem me querer alongar muito...da melhor maneira… Houve algumas coisas que eu devia ter feito de outra maneira, se calhar não tive o melhor comportamento para com o clube e principalmente para com o senhor João Nuno Pinto da Costa. São coisas que acabam por ser normais no futebol, mas há coisas que eu devia ter feito para serem mais claras. Mas pronto, a minha relação com o Porto sempre foi a melhor até hoje, sempre foi a melhor com o presidente e com Reinaldo Teles, porque em todos os momentos difíceis da minha carreira estiveram comigo. O presidente sempre me apoiou, mesmo não sendo meu presidente, mais tarde, até ao final da minha carreira. Por isso, em relação ao presidente e ao clube, estarei grato para toda a vida, foi o clube que me deu tudo.

      Foi bem tratado pelo clube mas a verdade é que quando regressa ao Porto os adeptos não o receberam muito bem, pois não?
      Os adeptos assobiaram-me, e com razão, porque as minhas prestações não eram as melhores. Como disse, tinha estado muito tempo sem jogar, tinha passado por muitos problemas e as coisas custaram-me um pouco. Mas sempre fui acarinhado pelos adeptos do FCP e também tenho de agradecer-lhes. Os adeptos do Porto ficam no meu coração.

      Sentia-se desfeito psicologicamente?
      Sim. É óbvio que por muito forte que sejamos, as coisas não nos passam ao lado. E só sendo forte como sou e sempre fui, consegui passar esses obstáculos.

      Nunca recorreu a ajuda psicológica?
      Não, nessa altura ainda não. Aguentei felizmente com a ajuda dos meus colegas e dos meus treinadores, foram importantes para mim, tenho de agradecer-lhes. Quando voltei o treinador era o mister Oliveira e ele foi fantástico comigo, nunca me abandonou, sempre me apoiou e deu força para continuar e conseguir ultrapassar. E acabei por conseguir. Depois voltei ao meu normal, as exibições começaram a sair bem e a fazer bons jogos.

      Entretanto, o seu pai faleceu.
      Sim, em 1998, quando vim do Real Madrid. Estávamos em Viseu, no início de época com o Fernando Santos. Eu estava a jogar cartas cá em baixo e, na altura o Rodolfo, o fisioterapeuta, veio chamar-me, mas estava com uma cara muito séria. Nós no início da época fazemos muitas analises clínicas e pensei "será que tenho alguma coisa?". Fiquei assustado. Levou-me para um quarto onde estava o departamento médico e toda a estrutura e [emociona-se]... Disseram-me que o meu pai tinha tido um ataque cardíaco, que estava mal. Mas eu pela cara deles vi que ele tinha falecido. Pedi para me dizerem a verdade e eles disseram. O meu pai tinha ido de férias para o Algarve e morreu no carro, no primeiro dia de férias. Ia com a minha mãe e outro casal.

      ©Getty / Martin Rose

      O Fernando Santos era muito diferente do António Oliveira?
      Sim, em tudo. Na maneira de treinar, na maneira de ser, cada um com o seu tipo de liderança. Um mais forte num aspecto, outro noutros.

      Em que se diferencia o Fernando Santos?
      O Fernando Santos tem aquela cara que parece estar sempre mal disposto mas quando era para brincar, quando era para participar em brincadeiras de grupo, em piadas, o Fernando Santos estava lá presente. Ele não é só aquilo que aparenta, é de facto uma pessoa maravilhosa, excelente. Uma pessoa que tem um diálogo fantástico, uma pessoa muito direta, que diz as coisas na cara, uma pessoa com muita sabedoria e que sabe estar. E não digo isto por ele agora ter sucesso na seleção, isso é o mérito dele, não é meu. Foi um treinador que me ajudou em alguns momentos menos bons, a mim e a muita gente, não fui só eu. As pessoas pensam que só o Carlos Secretário é que passou por maus momentos, mas todos os jogadores passam, sejam eles quais forem. Felizmente tive grandes treinadores, e falo em termos humanos.

      Dos três anos de Fernando Santos o que mais o marcou?
      O que mais depressa me vem à memória foram os títulos que conquistámos, os problemas e as alegrias que passámos juntos, num clube que tinha um mística fantástica onde tudo morria ali dentro do nosso balneário.

      Lembra-se de algum episódio especial que tenha vivido dentro do mítico autocarro do FCP?
      [risos] Sim, lembro-me de um com o José Mourinho. Aqueles jogadores mais velhos, como o Jorge Costa, eu, Paulinho Santos, Deco, nós depois dos jogos tínhamos sempre comer e beber no autocarro. O autocarro naquela altura tinha dois andares, a equipa técnica e diretores ficavam na parte de baixo e os jogadores na parte de cima. Um dia, o Silvino, o treinador dos guarda-redes, aparece-nos lá em cima a pedir comida e bebida lá para baixo. Na altura quem controlava isso era o Jorge Costa, o capitão, antes era o João Pinto. O Jorge Costa vira-se para ele e diz: "Não, não, não dou nada. Queres comida e queres bebida tens de pagar". O Silvino: "Deves estar a brincar comigo"; "Não, não estou a brincar. Queres, tens de pagar, porque nós pagamos isto tudo"; "Estás a falar a sério?"; "Claro que estou". O Silvino foi lá abaixo falar com o Mourinho. É óbvio que o Jorge estava a brincar, estava a fazer aquilo para picar o Silvino. Quando o Silvino vai para baixo passado um bocado ouvimos o Mourinho a dizer: "Oh meus caralhos.... se vocês não me mandam isso cá para baixo, amanhã há treino de manhã e acaba-se isso tudo". O Silvino sobe as escadinhas e já estávamos preparados com as coisas para lhe dar [risos]. Como era óbvio não íamos recusar, foi uma brincadeira.

      Recorda-se como foi a sua entrada nesse grupo mais antigo?
      Foi aos poucos, como todos os outros. Fui conquistando o meu lugar, uns foram saindo outros foram entrando. Lembro-me da entrada do Cândido Costa, que ele já contou, em que para ir para aqueles lugares do autocarro o Jorge disse-lhe “se queres sentar aqui tens de aguentar com a minhas pernas em cima de ti”. O Cândido respondeu "não faz mal, eu quero é estar aqui". Entrar naquele espaço não era de um dia para o outro. Tínhamos de ganhar algum estatuto se assim se pode chamar. É óbvio que ninguém atropelava ninguém, mas eram regras que estavam definidas. Aquele lugar era meu e já estava habituado a estar ali, o outro também e assim sucessivamente.

      Como foi a passagem do Fernando Santos para o Otávio Machado?
      Com o mister Otávio passei momentos difíceis. Não só eu como alguns de nós porque o mister Otávio decidiu começar a desfazer-se de alguns jogadores que estavam há alguns anos no clube. Era a sua ideia, não podíamos fazer nada em relação a isso. Foi na altura em que o Jorge Costa também foi para Inglaterra. O Jorge Costa também esteve a treinar à parte como eu, o Cândido Costa, Ricardo Sousa, o Sousa que era um lateral direito. Foi uma altura difícil, mas sempre respeitei a decisão do treinador, gostando ou não, e trabalhei no meu máximo mesmo estando a treinar à parte. Tanto fui 100% profissional que depois vim a tirar partido desse mesmo trabalho quando regresso ao grupo e comecei a jogar.

      Ainda jogou com Octávio a treinador?
      Sim. Na altura tinha vindo o Ibarra, um jogador muito caro, nós também não estávamos a praticar um futebol muito atrativo e os resultados não apareciam. Ele não se adaptou bem, eu como todos os colegas tentamos ajudá-lo. Eu sabia o que ele estava a passar porque já tinha passado por uma situação idêntica, e dentro daquilo que era possível ia falando com ele, mesmo sabendo que era um jogador que estava na minha posição. Tentámos ajudá-lo, porque era bom para ele e para o clube, mas realmente não se conseguiu adaptar às ideias do mister Otávio e acabou por sair. Eu estava a ver no Ibarra aquilo que eu tinha passado no Real. Ele tinha uma qualidade fantástica, não foi por acaso que o FCP deu tanto dinheiro por ele.

      Como viveu o Euro 2000?
      Pessoalmente gostei muito do Europeu 2000. Não foi aquilo que eu esperava em termos individuais, porque não joguei muito, mas tínhamos de facto um grande grupo, fizemos excelentes jogos e somos eliminados por uma grande equipa, a França. Batemo-nos de igual para igual com a França, podíamos ter ido à final. Foi a França da maneira que foi, se foi injusto ou não, foi o que foi, está feito, não vale a pena estar a falar muito sobre isso. Mas temos de estar orgulhosos do Europeu que fizemos. O Europeu de 1996, igual. Também nessa altura eu estava no auge da minha carreira e não comecei a jogar a titular no início da época porque tínhamos feito testes físicos e eu não estava na melhor condição, tenho de assumir. Foi o Paulinho Santos que começou a jogar como lateral direito nos primeiros dois jogos, depois então comecei a jogar e acabei por fazer um bom Europeu. E também tínhamos ao serviço na equipa um grande grupo, grandes jogadores individualmente. E aproveito aqui para dar os parabéns à Federação Portuguesa de Futebol pelo trabalho que está a fazer ao nível da seleção, falo ao nível da seleção, porque em relação ao resto não tenho acompanhado tanto e acho que há muitas coisas ainda para trabalhar que não estão bem.

      Voltando ao FCP e ao Mourinho. Foi uma grande transformação a passagem de Otávio para Mourinho.
      Sim. Respeito todos os treinadores que tive, aprendi mais com uns do que com outros obviamente, mas tenho de o dizer, Mourinho foi de todos o mais completo.

      Porquê?
      Porque ele trouxe-nos métodos e liderança muito diferentes daqueles a que estávamos habituados. Ele chegou a meio e é óbvio que não conseguimos atingir nenhum objetivo, isto é, não fomos campeões. Mas com os ajustes que fez na época seguinte e com um plantel escolhido por ele, as coisas foram totalmente diferentes. Sentiu-se uma grande diferença em relação à maioria dos treinadores. Era diferente. A sua liderança, os treinos, a confiança que nos dava, a informação que nos passava, o que ele antecipava. Ele dizia vai acontecer isto e mais isto e aquilo acontecia. Ficou-me na memória, no sorteio da Liga dos Campeões em que nos coube o Manchester, e apanhar o Manchester não era uma pêra fácil, as primeiras palavras dele foram: "Estes já foram". Nós sentimo-nos os melhores do mundo com ele, e ele dizia "eu não troco nenhum dos meus jogadores, pelos jogadores dele". Mesmo que não fosse aquilo que ele pensava, era aquilo que ele transmitia, a confiança que nos dava e depois, nós a vermos que as coisas que ele nos dizia aconteciam... O Jorge Costa também já referiu numa entrevista, ele disse-lhe: "Oh Jorge tu daqui a duas semanas provavelmente levas amarelo, por isso naquele fim de semana, prepara já uma saída com a tua família para três dias e vai passear, relaxa".

      Ele sabia isso tudo através da intuição, conhecimento, contactos?
      Vamos lá ver uma coisa o Mourinho nasceu no meio do futebol. O pai dele era futebolista, treinador, e ele sempre esteve no meio do desporto, estudou para isso. Ele tem vários cursos, não só a nível de futebol. Foi adjunto de grandes treinadores, esteve em grandes clubes. Foi inteligente na gestão da sua carreira. Conhecia muito bem os meandros do futebol e, o que para mim é o mais importante, desenvolveu as suas ideias. A maioria das coisas que ele fazia connosco, na altura do Bobby Robson não fazíamos e ele era adjunto do Robson. Para nós foi inovador. Ele era muito organizado. Há pormenores que nos ficam. A Liga Europa em que perdemos em casa 1-0, com o Panathinaikos, se não estou em erro, e ele vira-se para o público e diz "calma, que ainda temos de ir lá jogar". E fomos lá ganhar. Isso deu uma confiança não só aos jogadores, como adeptos, ao clube, ele conseguiu... A própria música dos Dragões, ele contribuiu para ela. Foi extraordinário.

      ©US Créteil Lusitanos

      Mas nas duas últimas épocas no FCP o Secretário não jogou muito. Porquê?
      Nos meus dois últimos anos no Futebol Clube do Porto não andava bem. Tanto física como psicologicamente passei por momentos muito difíceis.

      Havia alguma razão para isso?
      Várias. Tinha problemas pessoais e físicos, no clube e fora do clube. Vou fazer 50 anos e é a primeira vez que vou falar nisto. Eu não tinha condições para jogar. Mourinho ainda tentou recuperar-me, ajudar-me, mas não conseguiu. E vou confessar: eu tinha uma depressão. Além da morte do meu pai tive muitos outros problemas a nível pessoal que mexeram muito comigo e que me levaram a uma grande depressão.

      Nessa altura procurou ou recomendaram-lhe ajuda?
      Sim, tive ajuda do departamento médico do FCP. Como nunca falei nisto, nunca agradeci publicamente e aproveito para o fazer aqui, para lhes dizer que foram fantásticos. Quero agradecer ao presidente que foi fantástico comigo, inclusive o meu contrato acabava em 2002/03 e deixou-me lá ficar mais um ano por causa disso. Para usufruir dos momentos bons do clube. E o Mourinho foi muito, muito importante para mim. Nessa altura o Mourinho fazia questão de convocar-me, embora na maioria das vezes nem ao banco ia, porque o que ele realmente queria proporcionar-me era viver de perto todos os grandes momentos da equipa e do FCP no final da minha carreira. Inclusive levou-me para uma conferência de imprensa na Liga dos Campeões. Neste momento, ele tem um trabalho muito difícil pela frente mas quando o deixarem escolher um plantel à sua imagem ele vai voltar a ter sucesso como o fez em todos os clubes por onde passou. Mourinho é e será sempre o Mourinho. Ele foi como um pai para mim, fez tudo, tudo, para eu me sentir bem. Tanto ele como o FCP, na figura do presidente e do Reinaldo Teles, o departamento médico, o Amadeu Paixão, os meus colegas... Foram todos fantásticos comigo. Passei lá momentos difíceis, fiz asneiras e sempre tive o apoio deles.

      Teve comportamentos menos corretos?
      Coisas que disse sem sentido e sempre tive o apoio deles. Colegas que ficavam no quarto comigo para eu desabafar. São pessoas que vão ficar sempre no meu coração. Para toda a vida. Aproveito para pedir desculpa por algum comportamento menos correto que tive, por algumas coisas que disse ou que possa ter feito. Na altura não estava nas minhas melhores capacidades e aproveito para lhes pedir desculpa. Estou a dizer isto e não estou a pedir nada a ninguém, não quero nada de ninguém. Simplesmente sinto-me na obrigação de agradecer às pessoas aquilo que fizeram por mim. E o Mourinho, torno a dizê-lo, foi mais do que um pai para mim e agradeço-lhe profundamente.

      Lembra-se do último jogo que fez pelo FCP?
      Foi com o Paços de Ferreira, o Mourinho colocou-me a jogar, depois tirou-me e os meus colegas, inclusive ele, trouxeram-me em ombros. É um momento que vou guardar para a vida porque mais uma vez fizeram isso por mim. O próprio presidente ofereceu-me um quadro assinado por ele, que tenho em casa.

      Mas depois do FCP ainda joga no FC Maia. Porquê?
      O maior arrependimento da minha vida em termos profissionais foi ter ido para o FC Maia. Porque na altura eu estava com uma grande depressão e não tinha condições para ir para lado nenhum. E tinha acabado a minha carreira no clube do meu coração, o FC Porto; saía em grande e não devia ter ido passar o que passei no Maia. Por muito respeito que tenha pelo Maia. Na altura o Maia estava na II liga. Fiz porque o treinador era o Mário Reis, meu padrinho, e achei que ao meu estado o melhor para mim não era estar fechado em casa, por isso fui. Conheci pessoas fantásticas, mas também conheci pessoas que não merecem estar no futebol. E tenho de o dizer.

      Quem?
      As pessoas que estavam à frente do clube naquela altura não deviam estar no futebol. O que fizeram a mim e aos meus colegas e a muita gente, não se faz e essas pessoas não merecem. Não vou estar a dizer nomes, mas tenho de dizer isto. E por incrível que pareça as pessoas ainda continuam lá. Mas conheci também pessoas fantásticas, colegas que hoje ainda são meus amigos. Tinha acabado de ser campeão europeu no FCP e se calhar todos pensavam que eu ia chegar ali como vedeta e não foi nada disso que fiz, nem fazia parte do meu género, até pelo contrário. Prejudiquei muitas vezes a minha vida por ser demasiado humilde e esconder-me muitas vezes. Não digo isto só para ficar bem, é a realidade. Mas ao mesmo tempo acho que era o destino que estava marcado porque comecei aí a minha carreira como treinador, como adjunto do Mário Reis.

      Quando chegou aquele momento em que percebeu que tinha de parar e deixar de ser futebolista?
      Depois do Maia. Já durante a época houve coisas a que fui assistindo, outras que fui fazendo e também não devia ter feito, coisas que vi e que pensava, isto não é o meu mundo.

      Até aí já tinha pensado no que queria fazer depois de deixar de pendurar as botas?
      Sinceramente, não. Sabia que gostava de continuar ligado ao futebol, mas não tinha pensado sobre o assunto. Não preparei o meu futuro como devia.

      Já tinha algum nível do curso de treinador?
      Tinha o nível II. O primeiro nível tirei-o quando jogava no SC Braga e o segundo quando estava no FCP. Depois do Maia é que tirei o terceiro e quarto níveis.

      É o Mário Reis que o convida para ir com ele para o Santa Clara.
      Sim. Só o facto de sair da minha zona de conforto e um pouco daquilo que estava a passar e que muita gente assistiu e de que muita gente falou, achei por bem aceitar aquela oportunidade.

      Nessa altura como estava sua vida pessoal?
      O meu divórcio estava para sair.

      Como é que foi essa passagem de jogador a treinador?
      Não foi muito boa, porque como eu disse não estava ainda nas minhas perfeitas condições para ser uma grande ajuda ao Mário Reis. Fiz o melhor possível no estado em que estava, mas foi muito importante para mim ir para lá. Foi o momento do clique. Depois dessa época, comecei como treinador principal. Comecei por baixo.

      Porque é que diz que foi o momento do clique?
      Porque me deu tempo para estar de longe de tudo e de todos e começar a organizar-me. Ainda por cima num local top, como São Miguel. Serviu-me também de experiência para ver se era capaz de seguir uma carreira de treinador.

      Mas houve alguma situação, alguma coisa em concreto que tenha feito dar esse clique?
      Não teve. Conforme o tempo foi passando fui melhorando e fui começando a ter consciência das coisas.

      Estava a ser medicado para a depressão?
      Sim, sim.

      Estava dizer que começou por baixo como treinador.
      Sim, porque a minha imagem tinha sido afetada, comentada, abalada.

      De tudo o que se disse de si o que mais o magoou?
      Eu não tenho ninguém para acusar pelo que passei.

      Mas o que mais o atingiu por não ser verdade ou por achar injusto?
      Não estou a acusar ninguém. O que me aconteceu foi criado por mim próprio e por problemas que tive. Depois, fui ganhando consciência e mesmo não estando a 100% tive de me lançar à vida. A minha imagem ficou manchada por coisas que se passaram, que foram verdade, que se passaram, tive realmente uma depressão. Quando as coisas acontecem normalmente dizemos que só acontecem aos outros, mas o que é certo é que me tocou a mim. Como estraguei um pouco a minha imagem, tive de começar por baixo. Como disse, não conseguia gerir a minha imagem e fui à procura do meu tempo perdido. Acho que foi um tempo perdido, por coisas que a maioria delas não faziam sentido nenhum, nenhum. Quando estamos assim vemos tudo negro, tudo é mau, até uma carreira brilhante que tive e que me orgulho muito dela, punha em causa.

      Tem ideia de quanto tempo demorou esse período negro?
      Uns cinco anos.

      Curiosamente começa como treinador principal no FC Maia. Foram eles que o convidaram?
      Sim através outra vez do meu padrinho Mário Reis. Eu estava desapontado com as pessoas do Maia, mas acabei por aceitar um desafio que, se fosse hoje, nunca na vida teria aceite. Porque fui para um clube cheio de problemas. Entrei no clube em janeiro, o clube tinha sete pontos, jamais alguém aceitaria uma coisa daquelas porque era praticamente um caso perdido, mas ganhei forças, foi o virar da minha vida, esquecendo tudo o que se tinha passado. Na altura era o filho do Mário Reis, o Hugo, o meu adjunto, e consegui salvar o clube da descida de divisão, por incrível que pareça.

      Não continuou lá porquê?
      O clube fechou pelas dívidas que tinha. Esperei outros desafios, outras propostas. Nesses cinco anos em que estive com a depressão afastei-me de toda a gente, perdi contactos, tinha vergonha de estar com as pessoas e isso foi mau para mim. Tive de andar a palmilhar outra vez e a lutar. E ainda estou em termos de carreira, não em termos de vida. Pouco a pouco estou a conseguir conquistar o meu espaço e acho que vou chegar aonde quero.

      Andou por Lousada, Arouca e Salgueiros, até ir parar a França, ao US Lusitanos Saint-Maur. Como é que vai para lá?
      Vou parar a França com uma chamada de um ex-jogador meu no Maia, o André. Depois de bem pensar, decidi ir sozinho para França.

      ©US Créteil Lusitanos

      Foi difícil a adaptação? Sabia falar francês?
      A direção do clube era portuguesa, tinha jogadores de origem portuguesa e uma comunidade portuguesa muito grande. O adjunto da casa falava português e francês. Portanto a minha adaptação foi boa, embora com algumas limitações em relação a algumas regras no clube.

      Limitações em que aspecto?
      Ao nível das condições. Na altura em que vim para França o clube tinha o estádio em obras, tínhamos de jogar noutro estádio e treinar noutros sítios. Em termos de organização era difícil. Tive de adaptar-me. Subi de divisão no primeiro ano. No segundo ano morri na praia como se costuma dizer. Andámos muito tempo em 1.º lugar.

      Porque regressa a Portugal e não continua em França?
      Porque as condições de trabalho que me queriam propor não eram aquelas que eu idealizava. Achei que era o momento de sair. Fui para Portugal. Depois apareceu-me o Cesarense que era um clube perto de casa. Estávamos a fazer um bom trabalho, mas com o orçamento e a equipa que tínhamos, queriam objetivos muito altos, subir de divisão, e acho que até andámos perto de o conseguir. Não percebi a minha saída, porque estávamos a três ou quatro pontos do 1.º lugar. Mas aceitei como é óbvio. Houve muitas coisas que se passaram mas que ficam entre mim o presidente e o clube, não são coisas que queria trazer cá para fora.

      E depois?
      Recebi outros convites, mas não quis meter-me em coisas que me prejudicassem e que não permitissem percorrer aquele caminho que achava ser o melhor para mim, porque eu já tinha andado muito por baixo, cheguei a andar no SC Salgueiros, na distrital, um clube com nome, onde também subi dois anos seguidos. Depois, recebi uma chamada do meu atual presidente, Armando Lopes, para uma reunião no Algarve para eventual vinda para o clube. Eu conhecia muito bem este clube, porque era vizinho dos Lusitanos, e na altura em que eu estava no Lusitanos, eles estavam na II liga. Têm um estádio fantástico para 12.000 pessoas, um campo de treinos mesmo ao lado muito bom, relvado, dois sintéticos. Com infraestruturas profissionais, e quando ele me falou e conversamos não hesitei.

      Foi para o Créteil-Lusitanos em 2018/19 e subiu de divisão.
      Sim. E este ano o objetivo era tentar andar o mais acima possível. Estamos a meio da tabela, somos exatamente o mesmo plantel da época passada. Muito dificilmente as equipas que começam a descer, como foi o caso do clube que em três anos desceu dois, conseguem subir com facilidade, é muito complicado. Eu, a minha equipa técnica e o clube conseguimos fazê-lo logo no 1.º ano e este ano temos de ser realistas uma vez que temos praticamente o mesmo plantel do ano passado. Os jogadores novos que vieram são da divisão em que estávamos o ano passado. Não fomos buscar ninguém que viesse trazer mais experiência neste campeonato. Eu também não conhecia muito bem este campeonato, mas estou muito contente.

      Qual é a sua maior ambição enquanto treinador?
      A maior ambição para já é concentrar-me no trabalho que está aqui a ser feito. Na minha opinião, pelo que ouço e falo com os meus jogadores, o nosso trabalho está a ser muito bem feito, os nosso jogadores estão super contentes, a direção também. O clube está interessado que eu continue. Já me deram uma palavra mas ainda nada de definitivo até porque agora estamos com este grande problema mundial do coronavírus. O meu objetivo como treinador é subir o mais rápido possível em termos de divisão. Ir para uma II liga, para uma I liga, ir para um bom clube, fazer bons trabalhos, chegar o mais longe possível.

      Ambiciona treinar um clube da I liga em Portugal?
      Gostava. Mas o meu objetivo agora é fazer com que as pessoas acreditem no meu trabalho para que possa um dia receber esse convite, de II ou da I liga em Portugal. Não tenho nem nunca tive medo de começar por baixo, a minha carreira como jogador também começou por baixo. Consegui como jogador chegar lá acima, o meu objetivo como treinador é o mesmo. Nunca é tarde para nada. Sei que vou fazer 50 anos, mas temos o exemplo do Jorge Jesus que andou 20 ou 30 anos a treinar e só a partir de uma certa altura é que começou a ganhar o nome que tem e a darem-lhe o valor que ele realmente tem e merece. Sabemos que no futebol nem sempre é fácil e que as coisas passam às vezes por empresários e por conhecimentos, é mesmo assim, todos procuram uma oportunidade e essa oportunidade quando aparecer temos de estar preparados.

      Hoje já se sente preparado?
      Sim. É comum dizer-se que no futebol está tudo inventado. Não concordo. O jogo evoluiu muito desde que deixei de jogar, está diferente. Tenho vindo a investir na minha formação. Tento dotar-me de instrumentos e da informação que considero essencial para o meu bom desempenho. Faço-o através da leitura, coaching, do próprio treino, do próprio jogo, conferências, novas tecnologias, mas também aí tento rodear-me de pessoas que também tenham esse conhecimento como é o caso da minha equipa técnica, o Manuel Ramos (Nené) e o Edgar Sá. Demorou mas o futebol deixou nos últimos anos que a ciência entrasse no jogo, transformando-o, logo temos de estar preparados para esse paradigma não descurando nunca as experiências que tive como jogador com treinadores de topo que já referi antes. Depois ter o meu cunho próprio para aquilo que é a minha ideia de jogo.

      Refez a sua vida pessoal entretanto?
      Sim. Casei-me novamente. Tenho um filho do meu segundo casamento, o Gabriel Secretário. Aliás ele diz que é o GPS, porque é Gabriel Paiva Secretário [risos]. Faz sete anos este ano. A minha mulher, a Carla, é açoriana, conheci-a quando estive nos Açores, trabalhava num shopping.

      Eles vivem nos Açores?
      Não, vivem em S. João da Madeira.

      O seu filho joga futebol?
      Começou a jogar agora no clube da terra, na Sanjoanense. Ele gosta daquilo e faz-lhe bem.

      Assistiu ao parto de algum dos seus filhos?
      Assisti ao parto dos dois. Custou-me mais a primeira, confesso.

      Vieram a publico noticias de que sofria de arteriosclerose.
      Essa história surgiu por causa de eu ter o colesterol alto. É uma coisa genética que descobri já na parte final da carreira. Disponibilizei-me para falar num hotel no Algarve sobre o colesterol e pronto. Tive de mudar algumas coisas em termos de alimentação. Entretanto, depois por causa da depressão e dos comprimidos engordei bastante e há uns anos cortei em tudo, neste momento estou com o mesmo peso que tinha quando jogava. Perdi 16kg.

      Onde ganhou mais dinheiro?
      No FCP, porque foi onde estive mais anos.

      Investiu no quê?
      Imobiliário. Também tive um bar com outros sócios, em Santa Maria da Feira, Chamava-se "SemNexus". Mas passaram-se algumas situações e como eu e outro sócio não conseguimos controlar o bar, porque não estávamos presentes, preferimos sair e deixar os outros dois trabalhar como gostam. Tive também uma escola de futebol em Vale de Cambra. Durou pouco tempo. Na altura a câmara disponibilizou um terreno mas depois deixou de poder disponibilizar e como não havia ali grandes espaços, resolvi acabar com a escolinha. Ou tinha uma coisa em condições ou não fazia sentido continuar.

      Alguma vez teve uma alcunha?
      Não. O Paulinho Santos chamava-me muitas vezes "piolhoso" [risos]; também me chamavam "chiclete" porque eu era chato para caraças, era uma melga.

      Era chato como?
      Era competitivo, sempre a resmungar [risos]. Não gostava de dar o braço a torcer, era muito teimoso.

      Teve ou tem superstições?
      Tenho perdido muitas ao longo da vida, mas tinha uma que fazia desde miúdo porque a minha mãe dizia-me "entra com o pé direito e benze-te", e fazia-o sempre.

      É um homem de fé?
      Acredito em Deus, sou católico, mas não sou praticante. Nunca fui muito de ir à igreja mas por incrível que pareça, principalmente aqui em Paris, muitas vezes pego no carro e vou a uma igreja de N. Srª de Fátima que há aqui. Vou sozinho, não vou à missa. Às vezes vai um adjunto comigo, vamos lá os dois fazer as nossas orações.

      Como está a viver esta situação do coronavírus?
      Estive a treinar até dia 12 de março, até a federação parar treinos e competições. Entretanto, vim para Portugal para perto da família. Também tenho de agradecer à minha família, à minha mãe, à minha mulher que tem de conjugar o trabalho com o papel de mãe e pai ao mesmo tempo, o que não é nada fácil, e compreender a minha ausência devido à profissão.

      Tem mais alguma história engraçada para contar?
      Quando ainda não jogava no FCP e vários colegas meus me apresentavam a outras pessoas como Secretário, às vezes as pessoas viravam-se para eles e perguntavam, mas tu tens um secretário agora? [risos]. Isto é verdade, aconteceu várias vezes mesmo [risos]. Lembro-me também de um episódio com o presidente Pinto da Costa. Fomos jogar a Leiria, perdemos o jogo, mas nesse dia um colega fazia anos e a malta foi ao jantar de aniversário e depois fomos beber um copo. No primeiro treino da semana tínhamos o presidente à porta à nossa espera com cara de poucos amigos para dar um raspanete a quem saiu para beber um copo depois de uma derrota [risos]. No FC Porto as regras eram bem definidas. Quando perdíamos, no balneário era um autêntico 'funeral'.

      Quer partilhar mais alguma coisa?
      Gostava que esta entrevista servisse de reflexão para a maioria das pessoas que sente necessidade de julgar tudo o que as rodeia. Por isso, permitam-me, antes de mais questionar-vos: antes de se tornarem profissionais, seja de que área for, perguntaram-se qual foi o vosso principal papel quando nasceram? Pois eu lembro-me, todos os dias, foi o de filho. E antes de ser jogador de futebol, um atleta de alta performance, porque a profissão assim me obrigou, fui filho, fui uma criança como qualquer um de vocês. Sou um ser humano que ama o futebol desde que se lembra de ser gente. Mas nem tudo foi fácil, até bem pelo contrário, existiram muitas lutas, muitas batalhas, para conseguir sobreviver à guerra que é o futebol. Embora dentro das quatro linhas esquecesse tudo isso, porque amava profundamente o que fazia e jogava 90 minutos em modo 'flow'. Em contrapartida quando estava fora de campo, desse flow, tinha uma vida igual a qualquer outra pessoa, como já referi, como filho, como marido, como pai, como amigo e como membro de uma sociedade que vive de aparências e julgamentos. Esta minha partilha, de uma pequena parte da minha história, que é honrosa e amo profundamente, é essencialmente para vos mostrar a minha tomada de consciência de que dei sempre o meu melhor com as ferramentas que tinha e que estou muito grato por aquilo que sou hoje, pelo homem, pai, filho, companheiro e profissional em que me tornei. Quero aproveitar para agradecer às pessoas que me ajudaram e pedir desculpa por se calhar ter dito mal de alguém que não merecia e que por não estar bem o fiz, porque sei que fiz. Mas também quero valorizar aquilo que foi a minha carreira. Que poucos têm. Não são todos que têm no currículo uma Taça UEFA, uma liga espanhola, seis títulos nacionais, cinco Taças de Portugal, quatro Supertaças... Fiz parte do plantel que conquistou a Liga dos Campeões em 2003/04. Se resolvi falar agora sobre o que passei é também porque acho que pode ser um exemplo para outros. As coisas acontecem a toda a gente, não é por sermos jogadores de futebol do Real Madrid ou do FCP que estamos imunes. Aliás, já houve jogadores que se suicidaram por causa de problemas destes.

      Portugal
      Carlos Secretário
      NomeCarlos Alberto Oliveira Secretário
      Nascimento1970-05-12(50 anos)
      Nacionalidade
      Portugal
      Portugal
      PosiçãoDefesa (Defesa Direito)

      Fotografias(4)

      Comentários (0)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      EAinda não foram registados comentários...
      Tópicos Relacionados
      SIMULADOR ZEROZERO
      CASHBACK
      Se falhar a sua aposta múltipla entre sexta e domingo o Casino Portugal devolve-lhe até 100€ para voltar a apostar.
      CONSULTE AQUI AS CONDIÇÕES
      OUTRAS NOTÍCIAS
      O Red Bull de Salzburgo, atual campeão austríaco, conquistou esta sexta-feira a Taça da Áustria, ao vencer na final o Lustenau (5x0), do segundo escalão. Com ...
      ÚLTIMOS COMENTÁRIOS
      FIFAforever_returns2 30-05-2020, 03:21
      TO
      tonefcp 30-05-2020, 00:49
      JU
      justo2 30-05-2020, 00:39
      DS
      DSaraiva90 29-05-2020, 23:54
      CreedEinsteinBratton 29-05-2020, 23:52
      newone21 29-05-2020, 23:29
      MisticaEncarnada 29-05-2020, 23:17
      HE
      helder2002 29-05-2020, 23:05
      HGuima 29-05-2020, 22:54
      SCP_SUPPORTER 29-05-2020, 22:42
      footballmanagerftwgo 29-05-2020, 22:42
      MisticaEncarnada 29-05-2020, 22:40
      Andrei_Arshavin 29-05-2020, 22:34
      SCP_SUPPORTER 29-05-2020, 22:26
      -5CP- 29-05-2020, 22:25
      Andrei_Arshavin 29-05-2020, 22:23