betclicpt
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel
      2020/11/26
      Este espaço, do jornalista Carlos Daniel, pretende ser de abordagem e reflexão sobre o futebol no que o jogo tem de melhor. Semanalmente, uma equipa será objeto de análise, com notas concretas que acrescentam atualidade.
      Quero lá saber se o homem era imperfeito, interessam-me tanto os excessos do Maradona como as namoradas do Neymar, os impostos do Messi, a família do Cristiano, os quilos do Fenómeno ou os passaportes do Dinho Gaúcho (e assim acho que juntei todos os maiores génios que se seguiram numa frase apenas, que me desculpe o Zidane, certinho na vida como na silhueta, com o maior pecado público cometido ainda em campo, na cabeçada a Materrazzi). Ou seja, o que Don Diego pensava de política, por exemplo, conta para mim tanto como o que o senhor do mini-mercado sugere para o combate à pandemia. Como alguém disse: para quê discutir o que fez com a vida dele, se fez tantos pelas nossas?
       
      Há muito que deixei, aliás, de ver nos jogadores entidades aparentadas ao divino, referências para lá dos jogos, porque nem os maiores génios do relvado são garantia de pensamento elaborado fora dele. Arrumei os meus ídolos no sítio certo: em posters onde surgem de calções e chuteiras. Ou nas memórias em vídeo, com obras de arte desenhadas ao pontapé. E aí são sagrados, intocáveis. Não junte o homem o que deus desuniu, quando permite a poucos eleitos o altar das emoções.
       
      No dia em que morreu Maradona – e tenho de o repetir, porque me custa aceitar: o Maradona morreu – vejo gente que gasta minutos longos para falar de dependência de drogas e de comportamentos errantes de um cidadão? Exemplos desses há tantos milhões, infelizmente. Não faz mais sentido celebrar um talento como não houve outro? Um argentino anónimo diz que quando faltava até a comida na mesa, Maradona foi a alegria dos mais pobres. Valdano, companheiro de ataque na subida ao Olimpo em 86, e que pensa ainda melhor fora dos relvados do que executava dentro dele, não duvida nem por um segundo que privou com o melhor de todos e viu, ali ao lado e a olho nu, um génio em laboração. E despede-se do “grande capitão”, porque Maradona também foi isso - além da intuição pura, para pensar e executar, que o tornou incomparável -, o líder solidário, se necessário rebelde perante os poderes, sempre comprometido com o grupo que ia guiar e fazer acreditar, contraste profundo com um futebol progressivamente mais egoísta e repleto de talentos com umbigo dilatado.
       
      Recuso também a análise feita em manga de alpaca, sempre agarrada a números, golos, títulos ou prémios, que denunciam a ausência de uma paixão verdadeira. Não se pode medir Maradona, porque não há números para preencher a escala de encantamento e emoção que nos deu. A estatística pode dizer que ele só ganhou dois campeonatos e uma prova europeia? Fê-lo num clube, o Nápoles, que nunca tinha vencido algo do género e não voltou a fazê-lo, 30 anos passados desde que deixou o San Paolo. Agora o estádio dele vai passar a ter o nome dele. Nada mais justo. Também só ergueu uma Taça do Rei pelo Barcelona? Vale a pena ver, ver mesmo, que há imagens disso, como Diego foi blaugrana no tempo em que driblar com qualidade era tão relevante como fugir às agressões dos muitos Goicoecheas que encontrou. Uma das duas épocas na Catalunha perdeu-a, em grande parte, a recuperar dessa fratura da tíbia. Mas já antes, entre os 16 e os 21 anos, tinha cinco épocas de registos incríveis, no Argentinos e no Boca. Já era o génio capaz de ganhar jogos sozinho e fê-lo até ao ponto mais alto, num Mundial, como sonhava desde criança.
       
      Jogou quatro mundiais mas deveria ter jogado cinco, que em 1978 já era o maior talento na Argentina, só que Menotti, desconfiado da juventude, como tantos em todos os tempos, não lhe antecipou o trono planetário. Jogou quatro mundiais mas na prática só jogou dois, com saídas prematuras em 82, expulso (bem) por um árbitro, e em 94, expulso (continuo convencido que mal) pela FIFA. Nos dois que jogou mesmo foi sempre até ao fim, festejou uma vez, chorou na outra, mas guiou até ao último momento grupos de rapazes que sem ele seriam coletivos banais. É também por isso que Diego Armando Maradona é incomparável e irrepetível, sinónimo de futebol enquanto espaço de talento, superação e paixão. Ninguém viveu o jogo como ele. Nenhum futebolista morrerá tão grande como ele.


      Comentários (10)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      VI
      redlegion
      2020-11-28 15h59m por Vilanova1
      Sim sim, é isso mesmo. Peço desculpa por me ter dirigido a si.
      Vilanova1
      2020-11-28 14h42m por redlegion
      Pois não comenta. Faltam-lhe os argumentos para rebater o que escrevi
      VI
      redlegion
      2020-11-28 02h48m por Vilanova1
      No coment
      Vilanova1
      2020-11-28 01h24m por redlegion
      Não, mas também não preciso.

      Jogou no Barcelona e foi corrido pela vida que levava (as lesões não justificam tudo), jogou no Sevilha e foi corrido pela vida que levava. . . Esteve 7 anos no Nápoles e ganhou dois campeonatos de Itália, uma taça e uma Taça UEFA (e tirando essa, caíam sempre na 3ª ronda). Taças dos Campeões? Nem vê-las (nunca passaram da 2ª ronda!).

      E só se aguentou muito tempo como jogador, porque nos testes antidoping já levava um frasco de...ler comentário completo »
      VI
      redlegion
      2020-11-27 14h33m por Vilanova1
      Mais um?? Que ridiculo.
      Nao sou de saudosismos nem de mitos. Muito à frente de cristiano e messi. Assistiu à carreira plena de maradona??
      TI
      Maradona
      2020-11-27 12h20m por ti_maria_69
      Só quem não o viu jogar poderá dizer que messi é melhor! Como o próprio confidenciou a pelé, messi é bom jogador mas não tem personalidade, não é líder.

      Maradona, praticamente sozinho, levou um clube e uma cidade (Nápoles), e um país e uma selecção (Argentina) a conquistas e feitos únicos e irrepetíveis até hoje.

      Messi é "apenas" a estrela maior de uma constelação de estrelas, quer no Barcelona (onde está há mais de 15 anos na sua zona de conforto), quer na...ler comentário completo »
      lol
      2020-11-27 10h42m por redlegion
      Maradona pode ter sido um génio no seu tempo, mas nunca chego às marcas de um Ronaldo ou do Messi, ou até do citado Zidane. A vida fora do campo também ajudou ao mito, caso contrário seria só mais um.

      O problema do saudosismo faz com que só queiramos olhar para as partes boas e não para as más
      TU
      Obrigado Deus por ter visto esta lenda
      2020-11-27 01h51m por TugaKinas
      Excelente Carlos Daniel, dizer que de 86 lembro me pouco pois era muito novo, mas guardo religiosamente o calendário oficial do Mundial do México.
      Acusou no teste anti doping no Mundial 94, mas hoje em dia essa substância seria completamente legal. DEP GÉNIO
      Um gênio porém um tolo.
      2020-11-27 01h24m por arides306
      Era um gênio com a bola nos pés, fora de campo era um tolo, que pena.
      TA
      MARADONA É FUTEBOL
      2020-11-27 00h29m por Tantoscasos
      Subscrevo na íntegra tudo o que disse, mas, principalmente, a parte que diz respeito à importância que tem vindo a ser dada à sua vida extra-futebol. Como li (e fez essa referência), «para quê discutir o que fez com a vida dele, se fez tantos pelas nossas?». Posto isto, Maradona nunca se perfilou um líder de opinião (nem tão pouco mais ou menos), pelo que merece ser recordado apenas e só como uma grande personalidade do desporto. Tudo o resto, a meu ver, prende-se com a esfera priva...ler comentário completo »
      OPINIÕES DO MESMO AUTOR
      Sinto-me apoiado por um dos maiores. Depois de tantas crónicas a perorar em nome do talento, que pode estar nos mais jovens, baixos e franzinos, tanto como nos mais velhos, altos e ...
      12-11-2020 17:21E3
      Sim, é apenas uma forma de ver o jogo, mas, como diz um amigo meu, é a minha opinião e concordo com ela: aquele passe de Daniel Bragança mostrou porque é que o ...
      29-10-2020 22:44E4
      Quando o Liverpool da muito elogiada intensidade contrata Thiago Alcântara não é certamente para acrescentar velocidade ao jogo. Já não falta lá quem ...
      15-10-2020 20:41E1
      Opinião
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      A preto e branco
      Luís Cirilo Carvalho
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      Vénia ao 3º Anel
      Filipe Inglês
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel