X
história
Jogadores

Steven Gerrard: A alma de Anfield

Texto por Vasco Sousa
l0
E2
Considerado um dos melhores jogadores da história do Liverpool e do futebol inglês, Steven Gerrard foi um dos mais emblemáticos médios do futebol no início do Século XXI. O seu potente remate de fora de área, liderança e visão de jogo fizeram dele uma figura marcante do futebol.

Nascido em Whiston, no seio de uma família de fervorosos adeptos do Liverpool, Gerrard começou por jogar na equipa local (Whiston Juniors), sendo descoberto pelos olheiros do clube do coração aos 9 anos. Chegou à equipa principal dos Reds em 1998, com 18 anos, tendo sido lançado por Gérard Houlier. Foi com o técnico francês que ganhou a titularidade na equipa, o que o levou à seleção inglesa, em 2000, ano em que foi chamado por Kevin Keegan para o Europeu.

O ano das Taças e a titularidade na Seleção

Entre 2000 e 2001, viveu uma época de sonho, conquistando a FA Cup, a Taça da Liga, a Taça da Liga, a Taça UEFA e a Supertaça Europeia. Numa final eletrizante, Gerrard marcou um golo na vitória sobre em Alavés em Dortmund (5x4 após prolongamento), que significou o primeiro título europeu do clube inglês em 17 anos.

A juntar aos títulos pelo clube, Stevie G impôs-se nesta altura na seleção inglesa, assumindo-se como indispensável para o novo selecionador da Inglaterra, o sueco Eriksson. Gerrard estreou-se a marcar pela seleção numa das mais brilhantes vitórias dos ingleses: 1x5 em Munique, à grande e eterna rival Alemanha.

Em 2002, sofreu uma das maiores desilusões da carreira: lesionado, Gerrard falhou a presença no Mundial da Coreia do Sul e do Japão, torneio em que os ingleses sonharam com o título, caindo nos quartos de final aos pés do Brasil de Scolari, que se sagraria campeão.

O capitão de Istambul

Durante a época 2003/04, Houlier optou por lhe entregar a braçadeira de capitão, que pertencia ao finlandês Hyppia. Disse o técnico francês que acreditava que Gerrard tinha todas condições para liderar o gigante da cidade dos Beatles durante muitos anos

Foi assim, já como capitão de equipa, que Gerrard entrou na época 2004/05, marcante na sua carreira. Foi ele quem levantou o troféu da Liga dos Campeões, num percurso dramático da equipa. Na fase de grupos, Gerrard marcou perto do fim o golo que evitou a eliminação dos Reds, frente ao Olympiacos. A final, essa dispensa muitos comentários. A épica final de Istambul ficou eternamente na história do futebol, e foi Gerrard quem iniciou a reviravolta da equipa frente ao Milan, que ao intervalo vencia por 3x0. 21 anos depois, o Liverpool voltava a ser campeão da Europa, no momento mais feliz da carreira do seu número 8.

No final da temporada, recebeu o prémio de Melhor Jogador da UEFA. Estranhamente, não integrou o Onze do Ano da FIFA, mas seria escolhido nos três anos seguidos.

Escorregadela para a história

Tendo conquistado todos os troféus europeus e as taças nacionais de Inglaterra, faltava ao capitão do Liverpool a vitória na Premier League. Foram várias as tentativas, mas por norma o Liverpool cedo saía da luta pelo título. Ainda assim, esse título nunca esteve tão perto de acontecer como em 2013/14. Numa equipa que praticava um futebol empolgante, o Liverpool liderava a prova a 3 jornadas do fim, quando recebeu o Chelsea. Uma vitória seria passo de gigante rumo ao título, mas o jogo marcaria a carreira do capitão do Liverpool. Em cima do intervalo, escorregou e permitiu que Demba Ba inaugurasse o marcador. O Liverpool perdeu por 0x2, e dias depois empatou a três golos frente ao Crystal Palace (depois de ter estar a vencer por 3x0), acabando por perder o título para o Manchester City.

Ao serviço do seu clube, viveu outros grandes e inesquecíveis momentos: o bis na final da FA Cup frente ao West Ham, em 2006, com o 2.º golo, num disparo imparável de fora da área, a surgir no último minuto de jogo; ou um hat-trick no dérbi de Meyserside, frente ao Everton,em 2012.

Em 2015, Gerrard despediu-se do Liverpool. No seu último jogo, o Liverpool foi goleado pelo Stoke City por 6x1 – foi Gerrard quem marcou o golo de honra da equipa. Uma semana antes, a 16 de maio, realizou o último jogo no “seu” Anfield, num jogo envolvido numa enorme carga emocional.

Depois de 17 épocas ao serviço do Liverpool, Gerrard aventurou-se na MLS, alinhando no LA Galaxy, clube onde tinha jogado Beckham. Depois de dois anos no Soccer Americano, terminou a carreira, despedindo-se definitivamente dos relvados a 6 de novembro de 2016.

Apesar de ser médio, terminou a carreira com 212 golos. Nas competições europeias de clubes, marcou 41 golos, mais do que qualquer outro jogador inglês.

Gerrard foi dono de uma carreira única, sendo um dos maiores ídolos da história do Liverpool, numa das mais bonitas histórias de amor do futebol moderno, até porque ao longo da carreira chegou a ser alvo de interesse de rivais do clube do coração (o próprio admitiu que, na juventude, recebeu um convite de Sir Alex Ferguson para ir treinar à Academia do Manchester United, mas que o seu objetivo sempre foi assinar um contrato profissional com os Reds). Apesar de não ter vencido a Premier League - a sua maior desilusão da carreira, o seu carisma e aquela 'mania' de aparecer nos momentos decisivos (é, ainda hoje, o único a marcar em finais da Champions, Liga Europa, FA Cup, League Cup) fazem dele um dos maiores jogadores da história do futebol inglês. 

Fotografias(62)

Capítulos
Comentários (3)
Gostaria de comentar? Basta registar-se!
motivo:
Só lhe faltou mesmo o campeonato.
2019-08-14 02h40m por eduardonlirio
O Gerrard não ter sido campeão nacional, foi um pecado.
Steven Gerrard
2019-05-30 18h35m por The_Kop_End
Eterna lenda!

"Steve gerrard gerrard
He'll pass the ball 40 yards
He's big and he's . . . hard
Steve gerrard gerrad"

Parabens, capitao!
Stevie G
2016-12-04 16h40m por simaoandrade
Um senhor e um jogador ímpar na história do Liverpool FC. Vamos sentir muita falta daqueles pontapés inesperados e daquelas jogadas maravilhosas que fazia.

Um dos maiores da história do futebol inglês e mundial
Tópicos Relacionados