placardpt
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel
      2021/11/15
      E6
      Este espaço, do jornalista Carlos Daniel, pretende ser de abordagem e reflexão sobre o futebol no que o jogo tem de melhor. Quinzenalmente, uma equipa será objeto de análise, com notas concretas que acrescentam atualidade.
      Embirro há anos com a canção de adeptos celebrada no Euro 2016. E não é pela melodia, simples e orelhuda, antes pelo conjunto de versos aparentemente inofensivos mas que traduzem todo um pensamento que se instalou – era ver como até os jogadores campeões o entoavam com orgulho - e cuja fatura é agora paga em frustração nacional. “Pouco importa, pouco importa se jogamos bem ou mal”, cantava-se e – para mal dos nossos pecados – continuou a cantar-se, e a praticar-se, nos últimos anos. No fundo, assumia-se um caminho sufragado tacitamente: não interessa a qualidade de jogo desde que haja resultados. O problema é que só muito pontualmente se consegue ter resultados sem
      qualidade de jogo. E Portugal não só pode como deve - e tem mesmo de - jogar muito melhor. E até já jogou, por exemplo na Liga das Nações, que curiosamente também ganhou e frente a adversários de qualidade, como a Suiça e a então Holanda.
       
      Comecemos por excluir algumas explicações básicas para o insucesso diante da Sérvia, que não resistem ao mínimo contraditório, coisas do género “os sérvios quiseram mais ganhar que os portugueses” ou
      “Portugal jogou para empatar”. Para começar são ideias altamente discutíveis, já que ninguém minimamente conhecedor acredita que os jogadores portugueses não queiram estar no Mundial ou que
      Fernando Santos tenha sugerido empatar, sendo óbvio que nem sequer se abordou este jogo (em termos de sistema ou de opções para o onze) de modo diferente de tantos outros. Mais que discutível este tipo de debate é essencialmente inútil, que não é decerto a efabular sobre a atitude dos jogadores ou a ambição do treinador que se sai deste labirinto em que a seleção tem vivido e que é essencialmente tático. Vamos ao que interessa e que passa por uma relação fundamental, a que se estabelece entre os jogadores e a forma de jogar.Comecemos por excluir algumas explicações básicas para o insucesso diante da Sérvia, que não resistem ao mínimo contraditório, coisas do género “os sérvios quiseram mais ganhar que os portugueses” ou
      “Portugal jogou para empatar”. Para começar são ideias altamente discutíveis, já que ninguém minimamente conhecedor acredita que os jogadores portugueses não queiram estar no Mundial ou que Fernando Santos tenha sugerido empatar, sendo óbvio que nem sequer se abordou este jogo (em termos de sistema ou de opções para o onze) de modo diferente de tantos outros. Mais que discutível este tipo de debate é essencialmente inútil, que não é decerto a efabular sobre a atitude dos jogadores ou a ambição do treinador que se sai deste labirinto em que a seleção tem vivido e que é essencialmente tático. Vamos ao que interessa e que passa por uma relação fundamental, a que se estabelece entre os jogadores e a forma de jogar.
       
      Pergunta mais repetida ontem: como é que uma equipa com tanto talento tem jogado tão pouco? Jornalisticamente a pergunta é inatacável, o problema é que tem um vício de origem. Muito do talento – destaco Bruno Fernandes, João Félix e Ruben Neves – estava no banco, não no campo. De talento criativo, daqueles jogadores que criam mesmo e descontados os laterais (principalmente Cancelo), de início só havia Bernardo Silva no relvado da Luz. Não, nem Renato Sanches nem Diogo Jota são criadores para os outros, nem a Ronaldo se pede hoje que o consiga ser. Fernando Santos admitiu no fim que só Bernardo quis ter a bola. Só está mal o verbo: Bernardo não quis, Bernardo quer sempre dar critério e ligar com os demais. Não pode é ser só ele a querer, tem de haver mais dos que se associam, dos que protegem a posse. Os outros que começaram o jogo ontem têm qualidades fartas e indiscutíveis, mas não para isso.
       
      Se os nossos melhores são craques de facto é com a bola, convém tê-la mais tempo. E a escolha dos jogadores é determinante para isso. A chamada geração de ouro dominava jogos porque tinha Paulo Sousa, Rui Costa, João Pinto ou Figo, muito mais do que por um modelo de jogo prévio e bem definido. Do mesmo modo que houve acrescento de soluções com Deco, Maniche, Simão e Cristiano e isso valeu ainda mais que a capacidade motivacional de Scolari. Mais que uma ideia de jogo construída com tempo, até porque é mesmo pouco o tempo disponível para treinar numa seleção – quantos treinos de verdade há num conjunto nacional ao longo de um ano? Dez? Quinze? – o mais determinante resume-se em dois pontos: colocar os melhores em campo (o que não tem acontecido) e motivá-los rumo a uma ambição (como bem fez Fernando Santos em 2016).
       
      Aliás, ver Fernando Santos transformado na origem de todos os males, agora que a seleção vacila perante um apuramento cantado, parece-me não só injusto como incoerente, sobretudo por parte de quem antes, na hora dos triunfos, não ousava apontar-lhe nada ou até tomava qualquer análise negativa por crime de lesa-pátria. Com a autoridade de quem sempre foi pontualmente crítico, venho lembrar que Portugal foi eliminado do último Europeu com um meio campo composto pelos jogadores que o “povo” queria e maioria dos comentadores reclamava, designadamente Palhinha e Renato Sanches. Nós somos o país que reclama ter jogadores de talento mas depois vibra é com os mais “físicos”. A propósito, tendo visto o que Bernardo Silva produziu ontem durante mais de uma hora, todos (!) os diários desportivos escolheram Renato Sanches como a unidade de melhor rendimento na seleção portuguesa. Ou seja, queremos um jogar diferente mas desvalorizamos jogadores diferenciados. Pedimos futebol de ataque mas passamos meses inteiros a ouvir elogios ao pragmatismo, sugerimos jogo de risco mas insistimos em que as defesas é que ganham campeonatos, pedimos técnica mas exacerbamos a intensidade, preocupámo-nos mais com a perda de bola do que com o que fazer com ela. Por isso, reclamamos Palhinha a titular, fazemos bruáá a cada arrancada de Renato, mas encolhemos os ombros perante a repetida suplência de João Félix. Queixámo-nos hoje da forma de jogar que mais vezes se vê elogiar. No fundo, o que sentimos após este jogo da seleção pode comparar-se ao despertar após uma noite mal dormida. O que verdadeiramente nos desagrada é a nossa própria imagem refletida no espelho.


      Comentários (6)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      ZY
      kropotkin
      2021-11-18 13h02m por zyxw4321
      Como saber que alguém não tem argumentos para refutar o Carlos Daniel? Basta ver se o trata por "Benfiquista de Paredes". É uma lei da natureza: quem o faz é porque não tem nada a apontar. 100% das vezes.
      Buzinadocomcari nho
      2021-11-17 20h40m por kropotkin
      Eu também não entendo. Aliás, ninguém entende. Em Portugal inteiro serão umas 20 pessoas a defender a continuidade do Fernando Santos na selecção. Aqui o benfiquista de Paredes é um deles, claro. Os outros são os familiares do Fernando Santos, o Jorge Mendes, um ou outro utilizador do zerozero e o William Carvalho.
      Artigo
      2021-11-16 16h48m por Buzinadocomcarinho
      Não sei como é possível haver quem ache que o FS não é a raiz do mal da seleção. Pode não ter 100% da culpa, mas que é a origem não tenho dúvidas.
      Basta olhar para a tática medrosa com que entra sempre em campo, sempre mais preocupado em anular os pontos fortes do adversário do que em potenciar os pontos fortes da nossa equipa.
      PI
      Portugal
      2021-11-16 08h02m por Pinho352
      Desde que Fernando Santos assumiu o comando em 2014, a selecção apenas somou 3 vitórias em fases finais (europeus e mundiais) contra País de Gales, Marrocos e Hungria, claramente 3 potências da modalidade.
      As exibições em mais de 90% têm sido medianas ou fracas, o Euro 2016 foi ganho a jogar mal e com muita sorte (sim, na caminhada inteira e no facto de não ter tido nenhuma Espanha, Alemanha ou Itália pelo caminho), a fórmula "resultou" e tem sido aplicada ano após ano, no Mundia...ler comentário completo »
      Caro Carlos Daniel
      2021-11-15 23h57m por Southland
      Com Fernando Santos, Portugal é sempre uma equipa desequilibrada. E onde está o desequilíbrio? Na frente de ataque. Quando a bola chega ao último terço, temos lá no máximo 2 jogadores. Passado alguns segundos aparecem mais, já é tarde, perdemos a bola. E isto é simplesmente porque jogamos à defesa muito preocupados com os desequilíbrios defensivos. Audácia, ambição e renovação, a Espanha daqui por 2 anos ninguém os para, podem crer.
      TI
      Clap clap
      2021-11-15 22h46m por tink
      Palavras muito acertadas. Falta mais associação e colocar os homens certos no seu lugar. Ainda há tempo de reverter isto, tem é de se acordar.
      OPINIÕES DO MESMO AUTOR
      Pode haver três equipas portuguesas nos oitavos da Champions. Não é absolutamente provável mas é verdadeiramente possível. E seria histórico, ...
      26-11-2021 17:04
      Vi e li muitos elogios ao que o Vizela fez diante do Benfica e nada mais justo. Bruno Prata, no Record, foi particularmente certeiro na valorização do que produzem os homens de ...
      29-10-2021 20:40E1
      Listam-se os melhores jogadores portugueses do momento, desconta-se Cristiano Ronaldo que as lendas não se devem misturar nem sequer com os incomuns dos mortais, alinham-se obviamente ...
      14-10-2021 23:48E3
      Opinião
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      Joga Bonito
      Laurindo Filho
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      Vénia ao 3º Anel
      Filipe Inglês
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel
      Joga Bonito
      Laurindo Filho