placardpt
      Joga Bonito
      Laurindo Filho
      2022/01/11
      E0
      “Joga Bonito” é uma coluna de opinião de um treinador-jornalista que acredita ser possível apresentar um futebol bem mais atractivo, apaixonante e entusiasmante do que aquele que se vê habitualmente em Portugal. E pasme-se, com o mesmo objectivo presente na cabeça de todos os treinadores, adeptos e restantes agentes desportivos nacionais: ganhar!

      Dizia Ricardo Soares, há menos de uma semana, que não tem sido dado o devido destaque ao “seu” Gil Vicente na presente temporada. De acordo com o treinador gilista, o bom futebol praticado pela sua equipa justifica outro tipo de olhar sobre os seus jogadores e, consequentemente, sobre o seu trabalho.  Se dúvidas houvessem quanto a isso, o jogo de ontem frente ao Vitória SC veio dar-lhe razão.

      Mais do que a vitória em si, mais do que a forma como chegou com relativa facilidade a uma vantagem de 3-0, o que mais nos chama a atenção em relação ao Gil Vicente desta época é a qualidade dos comportamentos evidenciados em campo. Com e sem bola. Mas especialmente com bola.

      Ricardo Soares foi sempre um treinador cujos modelos de jogo assentaram na boa organização defensiva, o que nunca significou (salvas raras excepções decorrentes de momentos do jogo que assim o exigiram) um bloco demasiadamente baixo, vulgo “autocarro”, nem um abdicar do momento ofensivo através de saídas para o ataque rápido e/ou contra-ataque. Facilmente constatamos isso ao olharmos para o seu percurso na 1ª Liga com o GD Chaves, o Moreirense FC e agora no Gil Vicente FC.

      Mas não é no momento defensivo que verificamos o maior upgrade dos modelos de jogo do actual treinador gilista. É no momento ofensivo...

      Onde antes imperavam tomadas de decisão que visavam accionar os contra-ataques e as saídas para o ataque rápido, agora imperam tomadas de decisão assentes no critério, na temporização e na procura, sempre que possível, de um ataque mais organizado e posicional, com diferentes ritmos e a partir de diferentes zonas do terreno. Porque os jogadores adequam-se a isso e porque o próprio treinador sabe adequar-se aos jogadores que tem à sua disposição. Ou não tivesse o próprio Ricardo Soares afirmado ser, em entrevista à Quarentena da Bola, um treinador que adapta as suas ideias ao seu contexto.

      Significa isso que o Gil Vicente não contra-ataca? De todo. Contra-ataca, fá-lo sempre que o jogo assim o “pede”, mas já não o faz por sistema. Porque o actual modelo de jogo não é o mesmo da época anterior. Nem é semelhante ao modelo de jogo utilizado por Ricardo Soares no Moreirense ou em Chaves, já para não recuar aos tempos da Académica de Coimbra ou Vizela.

      O seu actual modelo de jogo é mais híbrido. Permite a recuperação de bola em zonas subidas, tanto seguidas de um passe vertical a solicitar as diagonais de Fran Navarro ou Samuel Lino, como de um passe para o lado ou para trás, com a incorporação dos médios e dos laterais no momento ofensivo a promover um ataque mais organizado. Mas também permite a adopção de um bloco médio/baixo, com zonas de pressão bem definidas (especialmente corredores laterais ou zonas entre corredor central e lateral) que permitem saídas com critério e qualidade para o ataque rápido e contra-ataque.

      Daí termos hoje um Gil Vicente igualmente competente no momento defensivo e mais competente no momento ofensivo, por dispor de novos comportamentos técnico-tácticos que ajudam a equipa a atacar melhor (por ter mais variedade de soluções ofensivas colectivas) e a defender melhor (porque os gilistas já começam a saber defender melhor com bola, através do critério e da segurança na circulação da bola). 

      Daí termos hoje um Ricardo Soares a realizar, muito provavelmente, o seu trabalho mais completo enquanto treinador do principal escalão do futebol português. Um trabalho que poderá, caso mantenha a qualidade, a regularidade exibicional e os bons resultados, catapultá-lo para equipas com outro tipo de argumentos.

      Daí ter a certeza, mesmo sem saber o lugar da tabela classificativa que o Gil Vicente irá ocupar no final da época, que este será o ano (do resto) da vida de Ricardo Soares...



      Comentários (0)
      Gostaria de comentar? Basta registar-se!
      motivo:
      EAinda não foram registados comentários...
      OPINIÕES DO MESMO AUTOR
      Não foram os jogadores a insurgirem-se contra o treinador. Não foram os jogadores a dar início ao “motim” ou à “rebelião”, como alvitra ...
      28-12-2021 17:17E1
      Todos os treinadores precisam de um encontro com a História. De um momento que os leve ao limite dos seus conhecimentos, das suas ideias e do trabalho diariamente desenvolvido com a sua ...
      23-12-2021 14:48
      O discurso é altivo. Nem sempre bem estruturado e muitas vezes redundante na forma como facilmente se contradiz. Os anos passam, os jogos disputados acumulam-se, somam-se ...
      14-12-2021 16:24
      Opinião
      O Melhor dos Jogos
      Carlos Daniel
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      Joga Bonito
      Laurindo Filho
      O sítio dos Gverreiros
      António Costa
      A Coluna é do Silva
      Paulo Silva
      A preto e branco
      Luís Cirilo Carvalho